Pular para o conteúdo principal

Em encontro com Bolsonaro, padre canta que 'Deus pode realizar o impossível'

Na terça-feira (11), ao ser recebido no Planalto por Jair Bolsonaro para um café da manhã, o padre carismático Cleidimir Moreira rezou para o presidente, cantando que Deus “pode realizar o impossível”.

O padre pediu que "caiam por terra todas as setas direcionadas" contra o presidente, incluindo "essa CPI que inventaram", referindo-se à comissão do Senado que investiga as consequências do negacionismo de Bolsonaro na pandemia.

"Em nome de Jesus" e “pela intercessão de Nossa Senhora”, ele solicitou "proteção" ao presidente.

O padre estava acompanhado pelos deputados Eros Biondini (Pros), Diego Garcia (Podemos) e Francisco Júnior (PSD), todos da Renovação Carismática.

Naquele mesmo dia, o presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, prestou um depoimento demolidor contra o negacionismo de Bolsonaro.

Católicos carismáticos
'reforçam' as orações de
evangélicos por Bolsonaro

> Com informação de vídeo da rede social e de outras fontes.

Comentários

  1. Carismáticos só possuem como nome mesmo, pois são carismáticos apenas com o Bozo e não com as vítimas da pandemia.

    ResponderExcluir
  2. Do padre: "Deus “pode realizar o impossível”."
    Nem direi em dividir por 0, Deus entraria em loop infinito SE existisse. Log 0, um primo par maior que 2... Esvaziar (100%) algo...
    Simplesmente o mais do que impossível solicitaria: Deus, APAREÇA ! E de forma a não deixar dúvidas, algo público, boa seria junto ao Conselho de Segurança da ONU... Simples assim. Aí até eu me redimo, louvo a Deus, Jesus Cristo e escambau, apóio esse presidente e qualquer outra coisa. :-D
    Ah, mas vai saber se Deus é Allah, ou Shiva? Tupã? Rá? ... Não importa qual seja, mais fácil esperar a morte térmica do Universo e além. :-D

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

Cantora gospel incentiva uso de cloroquina: 'Eu tomei'. E morre de Covid-19

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Grã-Bretanha retém 'Arca de Noé' por não ter condições de navegar