Pular para o conteúdo principal

Política genocida de Bolsonaro ameaça a civilização, diz 'Manifesto vida acima de tudo’

'CARTA ABERTA À HUMANIDADE' 


Intelectuais, artistas, jornalistas, economistas, religiosos e personalidades de vários setores assinaram o 
‘Manifesto vida acima de tudo’ condenando a “política genocida desse governo que ameaça a civilização”.

Nas últimas semanas as mortes por Covid-19 deram um salto, aproximando-se de 2.000 por dia, na contramão do que ocorre na maioria dos países.

Bolsonaro se mantém aferrado ao seu negacionismo e desumanidade, a ponto de chamar de “mimimi” as reclamações pela morte de 260 mil brasileiros.

Com o subtítulo 'Carta Aberta à Humanidade", o documento diz que Bolsonaro "nega a ciência, a vida, a proteção ao meio ambiente e a compaixão" e que “o Brasil grita por socorro”.

O manifesto pede que instituições, como Nações Unidas, Tribunal Penal Internacional, STF e Congresso Nacional, condenem o “genocida Bolsonaro, que ocupa a presidência do Brasil junto a uma gangue de fanáticos movidos pela irracionalidade fascista”.

O nome do manifesto, “Vida acima de tudo”, faz referência ao slogan da campanha eleitoral de Bolsonaro, “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”.

Adesões ao documento podem ser feitas neste link.



Segue íntegra do manifesto

CARTA ABERTA À HUMANIDADE

“Vivemos tempos sombrios, onde as piores pessoas perderam o medo e as melhores perderam a esperança.” Hannah Arendt

O Brasil grita por socorro.

Brasileiras e brasileiros comprometidos com a vida estão reféns do genocida Jair Bolsonaro, que ocupa a presidência do Brasil junto a uma gangue de fanáticos movidos pela irracionalidade fascista.

Esse homem sem humanidade nega a ciência, a vida, a proteção ao meio ambiente e a compaixão. O ódio ao outro é sua razão no exercício do poder.

O Brasil hoje sofre com o intencional colapso do sistema de saúde. O descaso com a vacinação e com as medidas básicas de prevenção, o estímulo à aglomeração e à quebra do confinamento, aliados à total ausência de uma política sanitária, criam o ambiente ideal para novas mutações do vírus e colocam em risco os países vizinhos e toda a humanidade. Assistimos horrorizados ao extermínio sistemático de nossa população, sobretudo dos pobres, quilombolas e indígenas.

O monstruoso governo genocida de Bolsonaro deixou de ser apenas uma ameaça para o Brasil para se tornar uma ameaça global.

Apelamos às instâncias nacionais – STF, OAB, Congresso Nacional, CNBB – e às Nações Unidas. Pedimos urgência ao Tribunal Penal Internacional (TPI) na condenação da política genocida desse governo que ameaça a civilização.

Vida acima de tudo."

> Com informação da íntegra do manifesto.




Comentários

  1. Aguentando as consequências. Quando se valoria essa tal "liberdade" de crença (no sentido fé, algo extremo) ocorrem essas coisas. Apego a seres imaginários diversos, sejam das religiões, como outros tipos de crenças, "energias", Teorias de Conspiração, Vegan, "orgãnicos" e outras marketices, pseudociências e anticiência, preconceitos, apego a políticos e outros tipos de lideranças, religiosas e afins. O "mercado" da fé é muito amplo e há os exploradores destes, inclusive em nichos bem específicos.
    E para "disfarçar", muitos vem com essa de "liberdade de opinião" como algo supremo, mesmo em algo insano.
    Pessoalzinho que DIZ defender os Direitos Humanos erra grotescamente quando nessa "liberdade" de crença enaltecida. Deveria deixar bem claro: quando esta for fé, ou seja, algo exarcebado, irracional, deve ser a ÚLTIMA liberdade e restrita entre adultos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Vídeo: Rasmussen afirma que o homem mais perigoso é aquele que não crê em Deus

Deputado pastor propõe fura-fila da vacina contra Covid-19 para religiosos em SC