Pular para o conteúdo principal

Evangélicos americanos gostariam de ter pênis maior, mostra estudo

Publicado em uma revista científica, o estudo foi feito por pesquisadores das universidades americanas Oklahoma e Indiana


Dois pesquisadores americanos descobriram em dados de buscas do Google que há uma “forte relação” entre evangélicos e o desejo de ter um pênis maior.

Eles usaram o Google Trends para apurar as associações nas buscas como “realce masculino”, “ExtenZe” [suprimento nutricional que supostamente aumenta o tamanho da genitália] e “bomba peniana”. 

Verificou-se que evangélicos de vários Estados dos EUA compõem uma parcela significativa dos que acessam esses termos.

Publicado no Journal for the Scientific Study of Religion, o estudo, que não inclui outros grupos religiosos, foi feito por Samuel L. Perry [samperry@ou.edu], do departamento de sociologia da Universidade de Oklahoma, e Andrew L. Whitehead, do departamento de sociologia de Indiana University.

O título do estudo é, em
tradução livre, “Vinculando
a subcultura evangélica
com a masculinidade fálica
insegura usando
pesquisas do Google”
.

Os pesquisadores consideraram outras referências, como preferência política, nível de educação, raça e situação conjugal, mas a associação mais expressiva com a preocupação com o tamanho do pênis ocorreu com os evangélicos.

Há uma abundância de pesquisas nos Estados Unidos, mas não sobre o tema escolhido pelos dois estudiosos porque as pessoas — ainda mais as religiosas e conversadoras — não se sentem à vontade para falar sobre o inconformismo (ou não) com a dimensão de seu pênis.

O estudo concluiu que a insegurança masculina dos evangélicos se reflete na avaliação de que a sua genitália não corresponde ao tamanho ideal ou desejável. Do ponto de vista das mulheres, essa não é uma questão importante.

Perry admite que o estudo tem limitações porque a busca no Google por genitália maior pode ter sido feita, em parte, por mulheres.

Ainda assim, segundo ele, o que ficou evidente se encaixa na realidade social neste momento de radicalização na masculinidade cristã, com a internalização de valores falocêntricos.

Isso decorre do fato de os homens, e os evangélicos em especial, estarem sentindo que a sua hegemonia de macho forte, perigoso e viril está ameaçada pela tomada de espaços cada vez maiores na sociedade pelas mulheres.

Comentários

Anônimo disse…
Se fazer uma pesquisa com bolsominions vai dar no mesmo.
Alex B disse…
Bolsominions e evangélicos quase sempre são os mesmo seres.
080394080394 disse…
Ideologias conservadoras em geral só incluem depravados.
Para quê? Eles já sentem muito gozo na Bíblia, e em suas políticas conservadoras!

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m