Pular para o conteúdo principal

Evangélicos americanos gostariam de ter pênis maior, mostra estudo

Publicado em uma revista científica, o estudo foi feito por pesquisadores das universidades americanas Oklahoma e Indiana


Dois pesquisadores americanos descobriram em dados de buscas do Google que há uma “forte relação” entre evangélicos e o desejo de ter um pênis maior.

Eles usaram o Google Trends para apurar as associações nas buscas como “realce masculino”, “ExtenZe” [suprimento nutricional que supostamente aumenta o tamanho da genitália] e “bomba peniana”. 

Verificou-se que evangélicos de vários Estados dos EUA compõem uma parcela significativa dos que acessam esses termos.

Publicado no Journal for the Scientific Study of Religion, o estudo, que não inclui outros grupos religiosos, foi feito por Samuel L. Perry [samperry@ou.edu], do departamento de sociologia da Universidade de Oklahoma, e Andrew L. Whitehead, do departamento de sociologia de Indiana University.

O título do estudo é, em
tradução livre, “Vinculando
a subcultura evangélica
com a masculinidade fálica
insegura usando
pesquisas do Google”
.

Os pesquisadores consideraram outras referências, como preferência política, nível de educação, raça e situação conjugal, mas a associação mais expressiva com a preocupação com o tamanho do pênis ocorreu com os evangélicos.

Há uma abundância de pesquisas nos Estados Unidos, mas não sobre o tema escolhido pelos dois estudiosos porque as pessoas — ainda mais as religiosas e conversadoras — não se sentem à vontade para falar sobre o inconformismo (ou não) com a dimensão de seu pênis.

O estudo concluiu que a insegurança masculina dos evangélicos se reflete na avaliação de que a sua genitália não corresponde ao tamanho ideal ou desejável. Do ponto de vista das mulheres, essa não é uma questão importante.

Perry admite que o estudo tem limitações porque a busca no Google por genitália maior pode ter sido feita, em parte, por mulheres.

Ainda assim, segundo ele, o que ficou evidente se encaixa na realidade social neste momento de radicalização na masculinidade cristã, com a internalização de valores falocêntricos.

Isso decorre do fato de os homens, e os evangélicos em especial, estarem sentindo que a sua hegemonia de macho forte, perigoso e viril está ameaçada pela tomada de espaços cada vez maiores na sociedade pelas mulheres.

Comentários

Anônimo disse…
Se fazer uma pesquisa com bolsominions vai dar no mesmo.
Alex B disse…
Bolsominions e evangélicos quase sempre são os mesmo seres.
080394080394 disse…
Ideologias conservadoras em geral só incluem depravados.
Para quê? Eles já sentem muito gozo na Bíblia, e em suas políticas conservadoras!

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Juiz que anulou união estável gay é pastor da Assembleia de Deus

Pastor Boas: "Não  nego minha fé" O juiz  Jeronymo Pedro Villas Boas (foto), 45, da 1º Vara da Fazenda Municipal e de Registros de Goiânia (GO), que anulou a união de um casal homossexual, admitiu hoje (22) que é pastor. "Sou pastor da Assembleia de Deus Madureira e não nego minha fé." Ele reafirmou  que a sua decisão está amparada pela Constituição que exige que para uma união o casal receba a autorização de um juiz. Justificou que a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), que garante aos homossexuais os mesmo direito civis dos demais brasileiros, não é vinculante e o acórdão daquela sessão ainda não foi publicado. "As pessoas no Brasil para viverem juntas e se unirem têm que ter os requisitos formais da lei. Quem reconhece isso é um juiz.". O juiz foi convidado a participar hoje (22)  de uma sessão da bancada Evangélica da Câmara, que entregou a ele uma moção de apoio. A corregedora-geral de Justiça de Goiás, Beatriz Figueiredo Franco

As mulheres deveriam ficar longe do cristianismo. Oito razões

Essência do totalitarismo é querer fazer o 'bem para todos'

Título original: Tentação totalitária por Luiz Felipe Pondé para Folha Você se considera uma pessoa totalitária? Claro que não, imagino. Você deve ser uma pessoa legal, somos todos. Às vezes, me emociono e choro diante de minhas boas intenções e me pergunto: como pode existir o mal no mundo? Fossem todos iguais a mim, o mundo seria tão bom... (risadas). Totalitários são aqueles skinheads que batem em negros, nordestinos e gays. Mas a verdade é que ser totalitário é mais complexo do que ser uma caricatura ridícula de nazista na periferia de São Paulo. A essência do totalitarismo não é apenas governos fortes no estilo do fascismo e comunismo clássicos do século 20. Chama minha atenção um dado essencial do totalitarismo, quase sempre esquecido, e que também era presente nos totalitarismos do século 20. Você, amante profundo do bem, sabe qual é? Calma, chegaremos lá. Você se lembra de um filme chamado "Um Homem Bom", com Viggo Mortensen, no qual ele é um cara

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

Médico acusado de abuso passa seu primeiro aniversário na prisão

Roger Abdelmassih (reprodução acima), médico acusado de violentar pelo menos 56 pacientes, completou hoje (3) 66 anos de idade na cela 101 do pavilhão 2 da Penitenciária de Tremembé (SP). Foi o seu primeiro aniversário no cárcere. Filho de libaneses, ele nasceu em 1943 em São João da Boa Vista, cidade paulista hoje com 84 mil habitantes que fica a 223 km da capital. Até ser preso preventivamente no dia 17 de agosto, o especialista em reprodução humana assistida tinha prestígio entre os ricos e famosos, como Roberto Carlos, Hebe Camargo, Pelé e Gugu, que compareciam a eventos promovidos por ele. Neste sábado, a companhia de Abdelmassih não é tão rica nem famosa e, agora como o próprio médico, não passaria em um teste de popularidade. Ele convive em sua cela com um acusado de tráfico de drogas, um ex-delegado, um ex-agente da Polícia Federal e um ex-investigador da Polícia Civil. Em 15 metros quadrados, os quatros dispõem de três beliches, um vaso sanitário, uma pia, um ch

Música gravada pelo papa Francisco tem acordes de rock progressivo. Ouça