Pular para o conteúdo principal

Projeto da USP usa cultura brasileira para ensinar a teoria da evolução

JORNAL DA USP   De onde viemos? Essa pergunta é o ponto de partida de uma animação produzida pelo projeto Evolução para Todes – Compartilhando a Ciência do LAAAE, iniciativa de divulgação científica que pretende aproximar o conhecimento acadêmico das pessoas e incentivar o acesso das mulheres e da população negra à ciência.

O vídeo disponível no canal do projeto no YouTube é o primeiro de uma série de curtas sobre ciência, arqueologia e evolução humana produzidos pelo Laboratório de Arqueologia e Antropologia Ambiental e Evolutiva (LAAAE) que tem pesquisadores do Instituto de Biociências (IB) e do Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE), ambos da USP. O projeto também conta com apoio do Instituto Serrapilheira de fomento à pesquisa e à divulgação científica no Brasil.

A produção usa a cultura brasileira para tratar dos conceitos científicos e tem personagens negros para incentivar a representatividade deste público na ciência.

A partir do ponto de vista de uma garotinha de sete anos, o curta animado “De Onde Viemos?” apresenta temas como o método científico e os diferentes campos de estudo criados para investigar a origem humana.

“Queremos estimular a desconstrução do caráter histórico-colonizador e majoritariamente branco das ciências acadêmicas, com foco na Arqueologia e na Antropologia, uma vez que esses fatores culminam na pouca representatividade da população negra dentro da nossa área de conhecimento, assim como em espaços como o das universidades e na figura de quem pode ser cientista”, afirma Mariana Inglez, coordenadora do projeto e doutoranda no LAAAE, onde pesquisa o processo de transição nutricional em comunidades ribeirinhas da Amazônia.

O Evolução para Todes tem uma equipe multidisciplinar formada, além dos pesquisadores da USP, por profissionais negros com foco na produção de conteúdos de gênero e raça. Eles fazem parte da produtora Mundi, coordenada por Raul Perez.

O grupo desenvolve ações focadas em divulgar conhecimentos em arqueologia, bioantropologia e evolução humana além de contar com educadoras em afro-alfabetização. Também participam da iniciativa a produtora de animação Noiz Anima, formada por um coletivo de animadores baseados na Zona Leste de São Paulo.

A segunda parte da animação, que será lançada até o fim de fevereiro, deve abordar o tema evolução humana, desvendando alguns mitos sobre o passado do homo sapiens e contando curiosidades sobre a origem e migração da espécie pelos continentes.

“Muitas vezes quando pensamos em estudos sobre Evolução Humana, pensamos em cientistas europeus ou norte-americanos em sítios arqueológicos na África. Como é possível contribuir para a construção de novos imaginários sobre quem faz ciência e sobre nossas áreas de conhecimento, com protagonistas mais diversos? Ser cientista é ter curiosidade, é formular perguntas o tempo todo, é observar o mundo, atentar para problemas e pensar em como solucioná-los”, defende Lisiane Müller, produtora do projeto Evolução Para Todes cuja pesquisa de mestrado aborda a mobilidade de grupos humanos do passado.

Todas as animações produzidas serão disponibilizadas nos canais do LAAAE no Instagram, YouTube e Facebook. O público também terá à disposição um link para download de uma versão do vídeo para Whatsapp.



Comentários

Posts mais acessados na semana

Bolsonarista se recusa a tomar vacina e morre de reinfecção de Covid-19

Crise da Universal em Angola chega à África do Sul com acusações de exploração e abortos forçados

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade