Pular para o conteúdo principal

Cientistas já sabem muito sobre Marte com a análise de meteoritos encontrados na Terra

JAMES SCOTT     O rover Perseverance da NASA pousou com sucesso em Marte hoje (18 de fevereiro), começando a enviar imagens. Sua missão é encontrar vestígios de vida extinta.

Mas as pessoas podem se surpreender ao saber que houve outras 48 missões ao planeta vermelho até agora. Destes, mais da metade falhou nos estágios da decolagem à implantação — incluindo o Mars Climate Orbiter de 1999, que foi destruído na entrada de Marte porque alguém deixou de  converter medições em unidades inglesas para o sistema métrico.

As missões bem-sucedidas incluem a Mars Insight, que está estudando o interior por meio da medição de “marsquakes”, e o rover Curiosity , que pousou em 2012 e está examinando a geologia do Monte Sharp.

Embora não tenha havido missões de retorno, há muito que podemos aprender sem viajar para Marte  dos mais de 260 meteoritos marcianos que caíram na Terra.

Imagens tiradas por sondas de óbitas de Marte revelam que o planeta tem mais de 40.000 crateras, cada uma formada por um asteróide que colidiu com a superfície. Você pode explorar essas crateras por conta própria acessando o Google Earth, alternando o modo Google Mars e aumentando o zoom.

Se alguns dos destroços dos grandes impactos atingissem a velocidade de escape da atmosfera (cerca de 5 km em Marte), eles poderiam rumar em direção à Terra, queimando-se na nossa atmosfera ou até atingindo a superffice.

A maioria dos meteoritos marcianos encontrados na Terra foi coletada na Antártica ou nos desertos do noroeste da África. Em ambos os casos, a crosta negra que se forma quando o meteorito queima parcialmente ao passar pela atmosfera da Terra destaca-se claramente contra o gelo ou a areia.

Em 1996, um meteorito marciano, ALH84001, foi considerado controversamente por conter bactérias fossilizadas.

Algumas das sondas mais antigas podem ter levado bactérias da Terra para Marte, uma vez que não foram purificadas antes do lançamento.

Bolha

Planetas pequenos esfriam rapidamente e há muito se suspeita que o núcleo de Marte tenha se cristalizado em grande parte, mas não totalmente. Isso significa que Marte perdeu quase todo o campo magnético protetor que desvia a radiação cósmica.

Mas temos certeza de que Marte já teve um oceano, contendo água como a conhecemos. A temperatura estava acima de zero e as condições eram adequadas para a vida.

A eliminação do campo magnético no início da história de Marte significa que este oceano se foi há muito tempo e a temperatura média é agora de -65 ℃, mas permanecem geadas, nuvens e calotas polares.

Não tendo a sorte de vagar pelos desertos da África ou pelos planaltos gelados da Antártica, encontrei meu primeiro meteorito marciano em um armário em uma loja de joias na pequena cidade de Akaroa, na Nova Zelândia.

Usando um microscópio eletrônico de varredura, meu exame revelou que era um shergottite, um dos meteoritos marcianos mais comuns — equivalente ao que conhecemos na Terra como basalto. Se for basalto, como sabemos que é de Marte?

Existem várias maneiras de reconhecer um meteorito marciano. Um é de seu conteúdo de gás. Quando um meteorito atinge a superfície de Marte, as rochas “alvo” estão sujeitas a pressões tão grandes que parcialmente derretem e prendem a atmosfera marciana dentro de bolhas de gás. Algumas dessas rochas são então ejetadas do planeta — tornando-se eles próprios meteoritos.

Os gases nesses meteoritos podem ser medidos na Terra e comparados com a conhecida atmosfera marciana, que compreende 95% de dióxido de carbono e concentrações distintas de gases nobres .

Os milhares de crateras marcando a superfície de Marte significam que ele é antigo. Isso foi confirmado quando um meteorito foi datado como tendo 4,4 bilhões de anos. Propriedades de alguns outros meteoritos marcianos mostram que Marte se formou em 13 milhões de anos após a formação do Sistema Solar. Isso, por sua vez, significa que parte da primeira crosta planetária que se formou em Marte provavelmente ainda existe na superfície.

Velho e frio, mas não morto

Essa inferência, junto com algumas propriedades isotópicas e minerais do meteorito, implica que Marte não foi moldado por placas tectônicas — o processo global que formou os continentes, cadeias de montanhas e bacias oceânicas na Terra.

E, como a maioria dos meteoritos marcianos datados têm menos de 1,5 bilhão de anos, o vulcanismo continuou ao longo de sua história. Marte pode estar frio, mas não está morto.

Os meteoritos marcianos também contêm pistas sobre como as pessoas um dia poderão sobreviver no planeta.

Embora viver em tubos de lava escavados no basalto marciano possa atrair alguns colonos interplanetários esperançosos, no final das contas precisaremos construir abrigos para nos proteger da radiação cósmica e das vastas tempestades de poeira que engolfam o planeta.

Os meteoritos marcianos mostram que a olivina, um mineral de silicato de magnésio, é comum. Experimentos estão em andamento para avaliar o uso de um componente de degradação, carbonato de magnésio, para formar um aglutinante de concreto a partir do qual poderíamos construir edifícios.

Primeira foto enviada
pelo rover Perseverance

> James Scott é presidente da Sociedade de Geociências da Nova Zelândia. Esse artigo foi publicado originalmente no site The Conversation.


Comentários

Posts mais acessados na semana

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Vereador quer leitura da Bíblia em escolas. E desperta a reação de educadores, OAB, UNE e terreiros

Vaticano investiu por mais de 20 anos em indústria de contraceptivo, diz TV