Pular para o conteúdo principal

Derrota de Crivella abala projeto de poder de Bolsonaro e o de Edir Macedo

Paulo Lopes | Opinião A Igreja Universal, como sabemos, tem um plano de tomada do poder do Estado brasileiro e o seu sonho era um dia lançar a candidatura do bispo Marcelo Crivella à presidência da República.

O próprio Crivella disse em 2016 que os evangélicos têm dinheiro e aviões para uma campanha eleitoral presidencial. Ele só não disse que era um potencial candidato, mas isso ficou implícito.

Em 2018, afirmou que só o "Brasil evangélico que vai dar jeito nessa pátria".

As eleições municipais de 2020 derrubaram Edir Macedo, líder da Universal, das alturas de seus sonhos, pelo menos por ora. Crivella nem sequer conseguiu se reeleger para a prefeitura do Rio.

Sem saber como lidar com a pandemia do coronavírus, Crivella foi talvez o pior prefeito do Rio até agora. Ele conseguiu piorar o já péssimo serviço de saúde, por exemplo.

Boa medida disso se deve ao fato de ele ter misturado a sua religião com a administração pública, com um descarado e vergonhoso favorecimento aos evangélicos. Mandou o Estado laico às favas.

Crivella governou o Rio como um pastor da Universal. Discriminou o Carnaval, os homossexuais, as artes e os movimentos sociais. E deixou a cidade ao léu.  

Certamente o Rio não pode ser considerado uma síntese do Brasil, mas uma coisa é certa: os ventos da política mudaram e a fragorosa derrota de Crivella é um indicativo de que os brasileiros não elegerão nas próximas eleições um presidente como tem sido Bolsonaro, obscurantista, negacionista, fanático religioso e incompetente. Um obtuso em todos os sentidos dessa palavra.

O Brasil vive dias dramáticos: começou a segunda onda do coronavírus e o desemprego é desesperador.

Ao menos há uma boa notícia: o Rio colocou para correr o seu Bolsonaro e o mesmo ocorrerá em dois anos com aquele que está em Brasília.




Comentários

  1. Finalmente varreram esse filho do diabo, o que me espanta é que ainda teve 30% dos votos essas desgraça. Embora tenha menos da metade do vencedor, ainda é um número alto e mostra que infelizmente o Rio tem 30% de fanáticos religiosos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

Dona Religião é casada com sr. Atraso e têm vários filhos

Igreja Católica da Alemanha admite que freiras forneciam crianças a padres pedófilos

Bolsonaro compra a novela 'Os dez mandamentos' da Record para a TV Brasil

Papa Francisco confirma que lugar da mulher na Igreja é na cozinha

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade