Pular para o conteúdo principal

Associação americana pede que ONU considere os ateus como minoria

A associação Ateus Americanos pediu à ONU (Organização das Nações Unidas) que passe a considerar os ateus como minoria porque eles sofrem perseguições e discriminações tanto quanto quaisquer grupos minoritários religiosos em diversos países.

A 72ª sessão da Assembleia Geral da ONU, realizada em 2017, levantou preocupações sobre o uso do termo “minoria” para religiosos em diversos países, de modo poder defendê-los.


Em seus estudos para definir minorias religiosas, a ONU estava deixando de fora os ateus, que sofrem restrições de religiosos em muitos países, principalmente naqueles em que há a hegemonia do Islã.

“As mesmas leis de blasfêmia usadas para perseguir as Testemunhas de Jeová na Rússia e os cristãos em Bangladesh também são aplicadas às pessoas não religiosas”, disse Alison Gill (foto abaixo), vice-presidente de Jurídico e Política da Ateus Americanos.

Ela acrescentou que a exclusão de pessoas não religiosas nos instrumentos legais da ONU cria incertezas porque deixa essas pessoas mais fragilizadas diante da opressão de grupos religiosos e de governantes.

Para subsidiar na definição de ateus e agnósticos, a associação enviou à ONU o seu relatório Reality Check: Being Nonreligious in America, feito com base em uma pesquisa com 34.000 americanos não religiosos.

“Embora o relatório mostre o estigma e a discriminação nos Estados Unidos, acreditamos que ele vale para outras regiões do mundo.” 

Alison: ateus também são minoria

Com informação da Ateus Americanos e de outros fontes e foto de divulgação.




Ateísmo significa libertação do medo do sobrenatural

Livro mostra por que Platão é o pai da perseguição aos ateus

Livro mostra por que Platão é o pai da perseguição aos ateus

Há diferentes caminhos que levam uma pessoa ao ateísmo




Comentários

Posts mais acessados na semana

Maitê recupera pensão de solteira apesar de união com empresário

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Vaticano manda que Arautos dos Evangelhos devolvam crianças para suas famílias