Pular para o conteúdo principal

Advogado da família Bolsonaro já foi suspeito de pertencer à seita satânica

O advogado Frederick Wassef, que manteve Fabrício Queiroz escondido em uma casa de sua propriedade em Atibaia (SP), foi investigado em 1992 sob a suspeita de pertencer à Lus (Lineamento Universal Superior), uma seita satânica com cerca de 40 seguidores.

O Jornal do Brasil noticiou na época que a Justiça pediu a prisão temporária de Wassef por ele ser divulgador da seita que seria a responsável pela morte de uma criança durante um ritual.

Trata-se do Leandro Bossi, de 8 anos, que desapareceu no dia 15 de fevereiro daquele ano, em Guaratatuba, Paraná.


Líder da Lus, Valentina Andrade foi flagrada com um vídeo onde se fazia referência a morte de uma criança em oferenda aos espíritos incorporados pelo marido dela, José Teruggi.

A polícia descobriu que o menino foi emasculado e assassinado em outubro de 1992, sendo apenas um do total de 19 vítimas, entre oito e 14 anos.

Em 2003, Valentina, então com 72 anos, foi condenada.

Ela passou a ser conhecida como o “Monstro de Altamira”, em referência à cidade onde morava, no interior do Pará.

Não foi provado nenhum envolvimento de Frederick Wassef nos assassinatos, embora tivesse ligação com a seita, de acordo com as investigações da época.

Sobre a Lus, leia também Preso o médico condenado por castrar meninos para rituais.

Wassef: suspeita tenebrosa

Com informação do Jornal do Brasil e do livro Crimes Satânicos, eles mataram em nome do diabo.




Polícia pega pai de santo que matou menino em ritual

Pai de santo diz que foi uma ‘entidade’ que abusou de jovem

Pai de santo pega 20 anos de prisão por assassinato em ritual satânico

Pai Gaso é acusado de bater em jovem para livrá-la de 'pomba gira'




Comentários

Anônimo disse…
Seita "satânica"...

Posts + acessados hoje

Igreja do 'santo' Maradona tem altar, cultos e mandamentos

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Para não pagar imposto, TJs alegam que máquina de passar roupa é essencial à religião