Pular para o conteúdo principal

Escócia extingue a lei da blasfêmia; humanista diz ser exemplo para o mundo

O governo da Escócia extinguiu a lei de blasfêmia, que, embora não vinha sendo mais acionada, permitia que pessoas fossem condenadas com base em sua opinião sobre religiões.

O fim da lei se deve a uma campanha lançada por humanistas em 2015.

Em 2008, a lei já tinha caído na Inglaterra e País de Gales. A Irlanda do Norte ainda a mantém.


Fraser Sutherland, diretor executivo da Humanist Society Scotland, afirmou que a Escócia é mais um país a dar recado ao mundo de que leis da blasfêmia são incompatíveis com o livre pensamento e com os valores deste início do século 21.

Críticas à religião não é crime e não deve ser consideradas com tal, afirmou.

A organização calcula que a lei da blasfêmia está em vigor em 68 países.

O Brasil também tem uma “lei da blasfêmia”: é o art.298 do Código Penal, que prevê multa e prisão de até um ano a quem “vilipendiar” a religião.

Lideranças evangélicas vivem citando esse artigo para ameaçar quem os criticam por meio do humor. 

CAPA DO JORNAL FRANCÊS
CHARLIE HEBDO QUE MARCOU
EM 2017 UM ANO DO ATENTADO
QUE SOFREU DE ISLÂMICOS FOI
CRITICADA PELO PAPA. NA FRANÇA
NÃO HÁ LEI DA BLASFÊMIA

Com informação do site Humanists International e de outras fontes.



Lesão no cérebro resulta em fanatismo religioso, diz estudo

Autor mostra em 'Lunáticos por Deus' a insanidade das religiões

Onde termina o extremismo religioso e começa a loucura?

Fanatismo evangélico ameaça a democracia no Brasil, diz reverendo




Comentários

POSTS MAIS LIDO EM 7 DIAS

Romualdo Panceiro cria a Igreja das Nações para concorrer com a Universal

Pastor diz que máscara é ‘frescurite’; fiel idosa e marido morrem de Covid-19

Maitê recupera pensão de solteira apesar de união com empresário







EDITOR DESTE SITE
Paulo Lopes é jornalista.Trabalhou
no jornal abolicionista Diario Popular,
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e outras publicações.

Contato