Pular para o conteúdo principal

Isolar-se em tempo de pandemia do coronavírus é um gesto de solidariedade

Michela Marzano / artigo / La Vie     Como italiana, tendo a família na Itália e acompanhando de perto tudo o que aconteceu nas últimas semanas no meu país de origem, fiquei aliviada ao ver o governo francês finalmente tomar as medidas necessárias.

Eu tinha, até esse momento, a sensação de uma inconsciência e de uma leveza fora de lugar. Levamos muito tempo para reagir e nos dar conta do que estava acontecendo. As autoridades não queriam criar pânico, mas poderiam ter agido mais rapidamente.

O verdadeiro desafio não é apenas isolar-se, mas proteger-se para proteger melhor os outros, as pessoas mais idosas, os mais frágeis. Isolar-se é um gesto de solidariedade.

FOTO DA EQUIPE DA UTI
DO HOSPITAL GERAL
UNIVERSITÁRIO DE CUIABÁ

Assim que entendermos que a separação está ligada à solidariedade, o significado do gesto já é outro. Vemos isso na Itália. Todos ficam em casa, mas acabam se criando outras relações: as crianças fazem desenhos que penduramos nas janelas, desenhos com mensagens de esperança; outros cantam na varanda e convidam seus vizinhos a fazer o mesmo. 

A reclusão compulsória pode se tornar uma oportunidade para inventar novas formas de comunicação.

Não é porque as crianças não vão mais à escola que os pais estarão mais próximos delas. Algumas famílias vivem em condições difíceis de acomodação, até com uma grande promiscuidade. 

Quando se está em oito pessoas numa mesma casa, é muito difícil ficar trancado. Especialmente porque a proximidade física com as crianças também deve ser evitada: elas são as primeiras disseminadoras da doença. 

Ter que ficar em casa nos forçará a nos relacionarmos entre nós, o que achamos difícil de fazer na sociedade atual. No entanto, é preciso estar, em primeiro lugar, em contato consigo mesmo para estar em condições de criar sociabilidade. Uma sociabilidade profunda e não apenas proximidade física.

Teremos que inventar uma nova maneira de nos comunicar, falar e viver. É possível! E teremos que aprender a viver o tempo de maneira diferente.

Ainda parece muito cedo para tirar outras lições. Certamente, as imagens de satélite capturadas da China ou da Itália nos mostram que é possível reduzir nossa pegada de carbono. 

Mas o que faremos quando a epidemia tiver sido superada? Vamos começar a produzir e consumir da mesma maneira, como se nada tivesse acontecido?

Por enquanto, nosso dever é gerenciar essa situação da melhor maneira possível e apoiar as pessoas que estão na linha de frente. E, acima de tudo, manter o moral elevado.

Várias imagens magníficas circularam nos últimos dias, postadas nas redes sociais por equipes médicas que trabalham em hospitais, com máscaras, óculos e cartazes com os dizeres: “Eu fico no hospital e você fica na sua casa”. Uma maneira de dizer que estão na linha de frente, que estão lutando e que precisam de nós para ajudar a parar esta epidemia.

Essas são mensagens importantes que nos ajudam a entender de onde vêm os sacrifícios. Aceitar ficar enclausurado em casa é interpor um ato de resistência contra a doença.


O coronavírus vem nos recordar de maneira cruel nossos limites, nossas fraquezas e nossas fragilidades. Quer gostemos ou não, essa provação faz parte da vida. E cada um reage com sua própria psicologia, com suas próprias carências, mas também com suas próprias forças. 

É apenas um pequeno lembrete, um lembrete extenuante e doloroso. Às vezes tentamos esquecê-lo, mas nossa condição humana é frágil e mortal. Somos vulneráveis, mas também somos capazes de muitos atos de coragem, capazes de nos engajar e de nos colocar em perigo para salvar os outros.

É numa crise como essa que estamos atravessando que vemos a importância, não de um Estado forte, mas de um Estado competente. 

O que importa é a clarividência e a compaixão. Ser realista, solidário e manter a calma para tomar as decisões corretas. 

Tomemos o exemplo de Donald Trump, que mostra, mais uma vez, sua completa incompetência. Ele deveria ser muito atencioso, porque nos Estados Unidos a situação é muito grave, especialmente com um sistema de saúde majoritariamente privado.

 Eu não ouso imaginar o que poderá acontecer a partir do momento em que o pico dessa pandemia chegar ao seu país. Ninguém sabe quanto tempo essa crise vai durar. Mas no dia em que sairmos dela, teremos que fazer as contas. E parar de fazer cortes no orçamento da saúde.

Finalmente, a reclusão representa uma terrível provação, especialmente para os idosos, ainda mais isolados, que não podem sair ou receber visitas — é uma escolha obrigatória para evitar a hecatombe. 

Na Itália, os hospitais estão sobrecarregados; já não há espaço para reanimação, nem respiradores suficientes. Os médicos são obrigados a realizar uma triagem. 

Se quisermos evitar algo parecido na França, todas as medidas de proteção adotadas hoje fazem sentido.

Michela Marzano é professora na Universidade Paris-Descartes e realiza pesquisas no campo da filosofia moral. Ex-deputada do parlamento italiano, é colunista do jornal La Repubblica. .

A tradução para o português é de André Langer para o IHU Online.





13 teorias da conspiração sobre o coronavírus

Vídeo de Drauzio Varella aponta as fake news sobre a pandemia do coronavírus

Psicóloga diz como é possível manter o equilíbrio emocional em tempo de pandemia

Paciente curada do coronavírus afirma ter aprendido a falta que faz um abraço



Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Estudante expulsa acusa escola adventista de homofobia

Arianne disse ter pedido outra com chance, mas a escola negou com atualização Arianne Pacheco Rodrigues (foto), 19, está acusando o Instituto Adventista Brasil Central — uma escola interna em Planalmira (GO) — de tê-la expulsada em novembro de 2010 por motivo homofóbico. Marilda Pacheco, a mãe da estudante, está processando a escola com o pedido de indenização de R$ 50 mil por danos morais. A primeira audiência na Justiça ocorreu na semana passada. A jovem contou que a punição foi decidida por uma comissão disciplinar que analisou a troca de cartas entre ela e outra garota, sua namorada na época. Na ata da reunião da comissão consta que a causa da expulsão das duas alunas foi “postura homossexual reincidente”. O pastor  Weslei Zukowski (na foto abaixo), diretor da escola, negou ter havido homofobia e disse que a expulsão ocorreu em consequência de “intimidade sexual” (contato físico), o que, disse, é expressamente proibido pelo regulamento do estabelecimento. Consel

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

MPF recorre no Rio à Justiça para permitir a ‘cura’ de homossexuais

O MPF (Ministério Público Federal) no Rio deu entrada na Justiça a uma ação civil pública para anular a resolução do CFP (Conselho Federal de Psicologia) que proíbe os profissionais de prometer “cura” da homossexualidade porque se trata de uma orientação sexual, e não de um transtorno. A iniciativa do MPF coincide com o esforço que lideranças evangélicas, incluindo seus representantes na Câmara dos Deputados, estão fazendo para derrubar essa resolução do conselho. Fábio Aragão, um dos três procuradores que assinam a ação, é evangélico. Para o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), isso demonstra que o Ministério Público está sendo instrumentalizado pela crença pessoal de um de seus integrantes. “Isso é um erro grave, porque a Justiça deve ser laica”, disse o deputado. “Retomar a discussão sobre a homossexualidade ser ou não uma doença é um absurdo do mesmo tipo que seria retomar a discussão sobre se o sol gira em torno da terra.” Carlos Tufvesson, estilista engajado no movimento de

Prefeito de São Paulo veta a lei que criou o Dia do Orgulho Heterossexual

Kassab inicialmente disse que lei não era homofóbica O prefeito Gilberto Kassab (PSD), na foto,  disse que vai vetar o projeto de lei aprovado pela Câmara Municipal de São Paulo que aprovou o Dia do Orgulho Heterossexual. Trata-se de um recuo porque, na época da aprovação do projeto, ele disse que a nova data não tinha caráter homofóbico. Agora, Kassab disse que se trata de uma medida “despropositada”, conforme entrevista que deu ao jornal Agora São Paulo. "O heterossexual é maioria, não é vítima de violência, não sofre discriminação, preconceito, ameaças ou constrangimentos. Não precisa de dia para se afirmar", disse. O prefeito falou haver somente sentido em datas que estimulem “a tolerância e a paz” em relação, por exemplo, a mulheres e negros e minorias que são vítimas de ofensas e brutalidades. Na campanha de 2008 da eleição municipal, a propaganda na TV de Marta Suplicy (PT) chegou a insinuar que o então seu adversário Kassab era gay, embora ela ti

Essência do totalitarismo é querer fazer o 'bem para todos'

Título original: Tentação totalitária por Luiz Felipe Pondé para Folha Você se considera uma pessoa totalitária? Claro que não, imagino. Você deve ser uma pessoa legal, somos todos. Às vezes, me emociono e choro diante de minhas boas intenções e me pergunto: como pode existir o mal no mundo? Fossem todos iguais a mim, o mundo seria tão bom... (risadas). Totalitários são aqueles skinheads que batem em negros, nordestinos e gays. Mas a verdade é que ser totalitário é mais complexo do que ser uma caricatura ridícula de nazista na periferia de São Paulo. A essência do totalitarismo não é apenas governos fortes no estilo do fascismo e comunismo clássicos do século 20. Chama minha atenção um dado essencial do totalitarismo, quase sempre esquecido, e que também era presente nos totalitarismos do século 20. Você, amante profundo do bem, sabe qual é? Calma, chegaremos lá. Você se lembra de um filme chamado "Um Homem Bom", com Viggo Mortensen, no qual ele é um cara

Música gravada pelo papa Francisco tem acordes de rock progressivo. Ouça

Russas podem pegar até 7 anos de prisão por protesto em catedral

Protesto das roqueiras Y ekaterina Samutsevich, Nadezhda  Tolokonnikova  e Maria Alyokhina durou apenas 1m52 por Juliana Sayuri para Estadão Um protesto de 1 minuto e 52 segundos no dia 21 de fevereiro [vídeo abaixo]. Por esse fato três roqueiras russas podem pagar até 7 anos de prisão. Isso porque o palco escolhido para a performance foi a Catedral de Cristo Salvador de Moscou. No altar, as garotas da banda Pussy Riot tocaram a prece punk Holy Shit , que intercala hinos religiosos com versos diabólicos como Virgin Mary, hash Putin away . Enquanto umas arranhavam nervosos riffs de guitarra, outras saltitavam, faziam o sinal da cruz e dançavam cancã como possuídas. As freiras ficaram escandalizadas. Os guardas, perdidos. Agora as rebeldes Yekaterina Samutsevich  (foto), Nadezhda Tolokonnikova (foto) e  Maria Alyokhina (foto) e  ocupam o banco dos réus no tribunal Khamovnichesky de Moscou, acusadas de vandalismo e ódio religioso. Na catedral, assim como noutras manifes