Pular para o conteúdo principal

'A Peste', de Camus, ensina que a solidariedade é a maior arma contra a pandemia

Carles Casajuana / La Vanguardia    Fazia tempo que desejava reler Albert Camus e o coronavírus me deu o empurrão que faltava. Eu também pego "A Peste" e a devoro fascinado pela maestria com que Camus descreve como os habitantes da cidade empesteada — Oran — vão se adaptando à epidemia, como se instalam em um tenso presente, como pouco a pouco sua percepção da existência vai mudando.

O doutor Rieux, o protagonista, ergue-se como uma figura incansável na luta contra a doença — um santo ateu, uma versão camusiana do super-homem nietzschiano —, em meio a um panorama desolador em que, no entanto, surge uma solidariedade bruta, primária. “É uma ideia que pode provocar riso — diz Rieux —, mas a única maneira de lutar contra a peste é a honestidade”.

“O que é a honestidade?”, pergunta a seu interlocutor. “Não sei o que é em geral” — responde Rieux —, mas em meu caso, sei que consiste em fazer meu trabalho”.

NA OBRA PRIMA DE ALBERT CAMUS,
UM MÉDICO ATEU E UM JORNALISTA
MOSTRAM QUE LUTAR CONTRA A PESTE
É UMA QUESTÃO DE HONESTIDADE

A cidade empesteada de Camus é uma alegoria de uma existência em que, inexoravelmente, todos estamos condenados a morrer. Rieux aceita sem chiar e se entrega de corpo e alma ao seu trabalho como médico. Nada como uma epidemia para esclarecer prioridades e colocar as coisas em seu lugar.

Não sei se os esforços das autoridades de saúde e as drásticas medidas dos últimos dias permitirão conter a expansão do coronavírus. Tomara. Também não sei se a afortunada Covid-19 é sazonal ou não. Espero que tenha a amabilidade de ser, porque vejo que nos países tropicais e no hemisfério Sul há comparativamente poucos casos novos, o que talvez signifique que a umidade e as altas temperaturas não favorecem os contágios. De qualquer forma, a epidemia pode nos ajudar a ver algumas coisas sob uma nova luz.

As limitações da soberania, por exemplo. Se alguém não entendeu o significado da palavra interdependência, agora já sabe o que quer dizer.

Em quantos países o vírus está ativo? Cem? Cento e vinte? A peste bubônica chegou à costa russa do Mar Negro, procedente da Ásia, no ano de 1346. Em 1347, chegou a Istambul e, em 1348, a Paris.

Agora, ao contrário, quando alguém no Canadá ou na Argentina se contagia, a primeira coisa que lhe perguntam é se esteve recentemente na China, no Irã ou na Itália. Um vírus originado em uma província chinesa da qual nunca havíamos ouvido falar nos obrigou a suspender o campeonato da Liga. Isso é a interdependência.

O vírus está nos dando uma lição prática sobre o caráter ilusório das fronteiras e sobre o valor da cooperação internacional.

Que proteção oferece a suspensão de voos intercontinentais de Donald Trump? Os Estados Unidos agora podem construir todos os muros que desejarem: o vírus os saltará.

O erro de Washington de cortar a contribuição para a Organização Mundial da Saúde, como parte da ofensiva contra o multilateralismo, agora aparece em toda a sua magnitude. A isso se chama ter visão de futuro. Aquilo de “América primeiro” serve muito bem para os comícios no Médio Oeste, mas os problemas globais — e esse é um deles — exigem respostas globais (mesmo que o gerenciamento diário seja local, é claro).

Donald Trump não consegue dissimular que, para ele, o principal perigo do coronavírus não é o da saúde, mas o político: o que mais o angustia é a possibilidade de não ser reeleito.

Ele contava com o bom andamento da economia para vencer as eleições, mas agora o mercado de ações cai e os tambores da recessão redobram com vigor. Sua reação, com a característica mistura de arrogância, ignorância e indiferença pelo destino dos mais fracos, não o ajudará.


O coronavírus pode fazer com que os norte-americanos vejam a importância de ter um sistema universal de saúde pública. Existem muitos milhões de cidadãos que não têm seguro ou que precisam pagar parte de suas despesas médicas. Também há muitos que, quando estão em baixa, não pagam. Ninguém poderá reprovar que, para manter a sua família, tentem não ir ao médico e que optem por ir trabalhar mesmo que apresentem sintomas, caia quem caia. Não acredito que isso ajude a controlar a epidemia, por mais diminuição de impostos que o Governo aprove.

O Brexit também não servirá para parar os pés do vírus. Diante de uma epidemia como essa, o slogan de “recuperar o controle” não leva a lugar algum. Pelo contrário, o coronavírus pode expor a falta de profissionais de saúde no Reino Unido e o grande erro de colocar obstáculos à imigração dos vizinhos europeus.

Agora, os britânicos vão perceber o serviço precioso que os médicos e as enfermeiras provenientes do continente, entre eles muitos espanhóis, prestam ao país.

Na Espanha, após as primeiras semanas em que o vírus criou um espaço de colaboração inédita entre o Ministério da Saúde e as Comunidades Autônomas e nas quais ninguém questionava o modelo, nem reivindicava mais competências, afloraram as primeiras divisões e as críticas, algumas delas muito mesquinhas.

Nada mais fácil: se as medidas são drásticas, são chamadas de alarmistas. Se não são, de tíbias. Suponho que a política é assim, mas não é o momento de fazer esse tipo de política. Em situações de emergência como a atual, é quando se vê a diferença entre um político de baixa envergadura e um homem de Estado.

Um dos personagens de A Peste, Rambert, um jornalista de Paris preso na cidade, quer fugir para ficar com sua esposa. Consegue a ajuda de alguns guardas, mas quando chega o momento, compreende que abandonar Oran é faltar com o seu dever de solidariedade e decide ficar para ajudar no que puder.

Talvez teremos que sugerir a alguns de nossos políticos que leiam Camus e que aprendam de Rieux e Rambert.

Cairia muito bem para eles.

Carles Casajuana é diplomata espanhol. A tradução é do Cepat, para IHU Online. O texto foi publicado originalmente com o título Camus e o Coronavírus.



Coronavírus: dez informações sobre as quais todos precisam saber

Ministério da Saúde informa sobre as diferenças entre o Covid-19, resfriado e gripe

Saiba como se proteger do coronavírus

Estudo confirma que coronavírus oferece maior risco de morte aos idosos

Vídeos: artistas usam humor contra o coronavírus

Em tempo de coronavírus, a religião tem de se ajoelhar diante da ciência





Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Estudante expulsa acusa escola adventista de homofobia

Arianne disse ter pedido outra com chance, mas a escola negou com atualização Arianne Pacheco Rodrigues (foto), 19, está acusando o Instituto Adventista Brasil Central — uma escola interna em Planalmira (GO) — de tê-la expulsada em novembro de 2010 por motivo homofóbico. Marilda Pacheco, a mãe da estudante, está processando a escola com o pedido de indenização de R$ 50 mil por danos morais. A primeira audiência na Justiça ocorreu na semana passada. A jovem contou que a punição foi decidida por uma comissão disciplinar que analisou a troca de cartas entre ela e outra garota, sua namorada na época. Na ata da reunião da comissão consta que a causa da expulsão das duas alunas foi “postura homossexual reincidente”. O pastor  Weslei Zukowski (na foto abaixo), diretor da escola, negou ter havido homofobia e disse que a expulsão ocorreu em consequência de “intimidade sexual” (contato físico), o que, disse, é expressamente proibido pelo regulamento do estabelecimento. Consel

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

MPF recorre no Rio à Justiça para permitir a ‘cura’ de homossexuais

O MPF (Ministério Público Federal) no Rio deu entrada na Justiça a uma ação civil pública para anular a resolução do CFP (Conselho Federal de Psicologia) que proíbe os profissionais de prometer “cura” da homossexualidade porque se trata de uma orientação sexual, e não de um transtorno. A iniciativa do MPF coincide com o esforço que lideranças evangélicas, incluindo seus representantes na Câmara dos Deputados, estão fazendo para derrubar essa resolução do conselho. Fábio Aragão, um dos três procuradores que assinam a ação, é evangélico. Para o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), isso demonstra que o Ministério Público está sendo instrumentalizado pela crença pessoal de um de seus integrantes. “Isso é um erro grave, porque a Justiça deve ser laica”, disse o deputado. “Retomar a discussão sobre a homossexualidade ser ou não uma doença é um absurdo do mesmo tipo que seria retomar a discussão sobre se o sol gira em torno da terra.” Carlos Tufvesson, estilista engajado no movimento de

Prefeito de São Paulo veta a lei que criou o Dia do Orgulho Heterossexual

Kassab inicialmente disse que lei não era homofóbica O prefeito Gilberto Kassab (PSD), na foto,  disse que vai vetar o projeto de lei aprovado pela Câmara Municipal de São Paulo que aprovou o Dia do Orgulho Heterossexual. Trata-se de um recuo porque, na época da aprovação do projeto, ele disse que a nova data não tinha caráter homofóbico. Agora, Kassab disse que se trata de uma medida “despropositada”, conforme entrevista que deu ao jornal Agora São Paulo. "O heterossexual é maioria, não é vítima de violência, não sofre discriminação, preconceito, ameaças ou constrangimentos. Não precisa de dia para se afirmar", disse. O prefeito falou haver somente sentido em datas que estimulem “a tolerância e a paz” em relação, por exemplo, a mulheres e negros e minorias que são vítimas de ofensas e brutalidades. Na campanha de 2008 da eleição municipal, a propaganda na TV de Marta Suplicy (PT) chegou a insinuar que o então seu adversário Kassab era gay, embora ela ti

Essência do totalitarismo é querer fazer o 'bem para todos'

Título original: Tentação totalitária por Luiz Felipe Pondé para Folha Você se considera uma pessoa totalitária? Claro que não, imagino. Você deve ser uma pessoa legal, somos todos. Às vezes, me emociono e choro diante de minhas boas intenções e me pergunto: como pode existir o mal no mundo? Fossem todos iguais a mim, o mundo seria tão bom... (risadas). Totalitários são aqueles skinheads que batem em negros, nordestinos e gays. Mas a verdade é que ser totalitário é mais complexo do que ser uma caricatura ridícula de nazista na periferia de São Paulo. A essência do totalitarismo não é apenas governos fortes no estilo do fascismo e comunismo clássicos do século 20. Chama minha atenção um dado essencial do totalitarismo, quase sempre esquecido, e que também era presente nos totalitarismos do século 20. Você, amante profundo do bem, sabe qual é? Calma, chegaremos lá. Você se lembra de um filme chamado "Um Homem Bom", com Viggo Mortensen, no qual ele é um cara

Música gravada pelo papa Francisco tem acordes de rock progressivo. Ouça

Russas podem pegar até 7 anos de prisão por protesto em catedral

Protesto das roqueiras Y ekaterina Samutsevich, Nadezhda  Tolokonnikova  e Maria Alyokhina durou apenas 1m52 por Juliana Sayuri para Estadão Um protesto de 1 minuto e 52 segundos no dia 21 de fevereiro [vídeo abaixo]. Por esse fato três roqueiras russas podem pagar até 7 anos de prisão. Isso porque o palco escolhido para a performance foi a Catedral de Cristo Salvador de Moscou. No altar, as garotas da banda Pussy Riot tocaram a prece punk Holy Shit , que intercala hinos religiosos com versos diabólicos como Virgin Mary, hash Putin away . Enquanto umas arranhavam nervosos riffs de guitarra, outras saltitavam, faziam o sinal da cruz e dançavam cancã como possuídas. As freiras ficaram escandalizadas. Os guardas, perdidos. Agora as rebeldes Yekaterina Samutsevich  (foto), Nadezhda Tolokonnikova (foto) e  Maria Alyokhina (foto) e  ocupam o banco dos réus no tribunal Khamovnichesky de Moscou, acusadas de vandalismo e ódio religioso. Na catedral, assim como noutras manifes