Pular para o conteúdo principal

O que Saramago diria sobre os insanos Edir Macedo, Malafaia e Bolsonaro?

O jornalista Ancelmo Gois mencionou em sua coluna no jornal "O Globo" um artigo de José Saramago (1922-2010) onde o escritor português aborda as maldades cometidas em nome de Deus.

ESCRITOR PORTUGUÊS FOI
UM FERRENHO CRÍTICO DO
USO DA FÉ PARA EXPLORAR PESSOAS

O artigo de Saramago se refere ao atentado à Torres Gêmeas, em Nova Iorque, que matou mais de 3 mil pessoas.

"De algo sempre haveremos de morrer, mas já se perdeu a conta aos seres humanos mortos das piores maneiras que seres humanos foram capazes de inventar”, escreveu o português.

"[Mas] a maneira mais criminosa, a mais absurda, a que mais ofende a simples razão” é aquela que invoca Deus.


Com o título de "Fator Deus", o artigo do escritor cita alguns exemplos de crimes cometidos pela religião, como os da Santa Inquisição, da Igreja Católica.

Gois conclui: "como reagiria hoje o saudoso prêmio Nobel de Literatura diante de declarações de três insanos: bispo Macedo, Silas Malafaia e Jair Bolsonaro?"

"O primeiro afirmou que “o coronavírus é estratégia de Satanás e da mídia para colocar as pessoas em pânico”, o segundo chegou a dizer que, num primeiro momento, não iria suspender a realização de cultos, e o terceiro considerou uma medida absurda fechar Igrejas."

Com informação de "O Globo".


Lesão no cérebro resulta em fanatismo religioso, diz estudo

Autor mostra em 'Lunáticos por Deus' a insanidade das religiões

Onde termina o extremismo religioso e começa a loucura?

Fanatismo evangélico ameaça a democracia no Brasil, diz reverendo




Comentários

Editor deste site
Paulo Lopes é jornalista
Trabalhou no jornal 
abolicionista Diario Popular, 
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras 
 publicações. 
Contato

POSTS MAIS LIDO EM 7 DIAS

Vídeo: R.R. Soares manda o Covid-19 para o inferno, mas não tira a máscara do rosto

13 teorias da conspiração sobre o coronavírus. Ou: a bolsa ou a vida?

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade