Pular para o conteúdo principal

Macron defende jovem para quem o Islã é insano: 'Temos o direito de blasfemar'

Mila reagiu a um muçulmano
que a chamou de 'lésbica suja'

O presidente Emmanuel Macron entrou na polêmica que catalisou a opinião pública francesa nas últimas semanas. Ele defendeu a estudante Mila (foto), 16, que reagiu a um muçulmano que a chamou de "lésbica suja" e "'puta suja", após ela ter feito pelo Instagram uma transmissão ao vivo falando de sua homossexualidade.

Em outro vídeo, Mila respondeu que o Corão está cheio de ódio.

"Sua religião é uma merda, e eu colocou o dedo no ânus do seu deus", disse.

Macron afirmou que a jovem não cometeu nenhum crime porque 'temos o direito de blasfemar".

'A lei é clara — temos o direito de blasfemar, criticar e de caricaturar religiões. A ordem republicana não é uma ordem moral. O que é proibido é incitar o ódio e atacar a dignidade humana.'

Desde sua resposta ao muçulmano, Mila tem sofrido ameaças de morte e de estupro e teve de mudar de escola em sua cidade, Lyon.

A uma emissora de TV, a jovem afirmou não ter se arrependido nada do que dissera e reafirmou sua opinião sobre o Islã.

Afirmou não ser racista porque não se pode ter racismo em relação a uma religião e que ela tem a liberdade de dizer o que quiser, o que inclui blasfemar.

"Eu queria falar sobre uma religião e dizer o que pensava e isso é tudo.".

A ministra Nicole Belloubet, da Justiça, já tinha afirmado que as ameaças a Mila são "inaceitáveis".

Macron disse que o debate perdeu de vista o fato de a Mila ser uma adolescente.

"O Estado precisa proteger os jovens das novas formas de ódio e assédio online que podem ser destrutivas."

Antes da manifestação de Macron, Abdallah Zekri, diretor-geral do Conselho Francês para a Fé Muçulmana, deu uma entrevista dizendo que Mila cometeu insultou contra o Islã, o que, segundo ele, não tem o respaldo da liberdade de expressão.

Já Mohammed Moussaoui, outro integrante da Conselho, reconheceu que nada justifica as ameaças de morte.

"Temos de aceitar todos os debates e recusar toda a violência."

O caso Mila mostra como às vezes tem sido tensa a convivência entre integrantes da comunidade muçulmana e os franceses em relação à cultura de comportamento, em uma sociedade que preza a sua laicidade de Estado.


Com informação do The Guardian, Daily Mail e de outras fontes e foto e vídeo das redes sociais. 




Cardeal exibe vídeo que prevê França islâmica em 39 anos

Entra em vigor na França proibição aos muçulmanos de orar nas ruas

França vai combater grupos que apresentam ‘patologia religiosa’

Aos 112 anos, laicidade da França resiste ao islamismo



Comentários

  1. Corretíssimo a atitude da moça e do Macron, essa religião odiosa chamada islamismo deve ser achincalhada e desmascarada em todos os meios, pois os muçulmanos não se importam em cagar em cima de todos os valores humanistas e seculares conquistados pelo Ocidente, de igualdade de gênero a direitos LGBT, de livre expressão a laicidade do Estado.
    Foi-se o tempo onde todo tipo de atitude odiosa e intolerante poderia ser justificada em nome de religião.

    Pelo direito de blasfemar!

    ResponderExcluir
  2. Os muçulmanos odeiam os cristãos e judeus e não se envergonham disso estar escrito literalmente no Alcorão. Não sejam amigos de cristãos e judeus, Jesus não morreu na cruz, quem acredita na trindade é um descrente e deve ser torturado e decapitado...copiaram parte da Torá e dos testamentos cristãos, deturpando-os com a finalidade de fazer querra culturala e ideologica com o fim de poder sobre o ser humano. O islã é um cancer que deve ser combatido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todas as religiões são odiosas, assassinas, genocidas, arrogantes, pretensiosas, e querem o poder políticos e administrativo dos Estados, ou seja, transformar o mundo naquilo que sempre foi, isto é, preconceito, ódio, complexo de superioridade, guerras, carnificinas, massacres, torturas, etc. O ateísmo científico é a grande esperança de extinguir as religiões por meio do conhecimento, da ciência, das tecnologias, etc. As repúblicas laicas são covardes, tornaram as religiões intocáveis. Religião é mil vezes pior que o HIV e todas as doenças do mundo. Por que essa praga fica incubada na humanidade. Os malditos políticos querem votos dessa corja imunda. Os Estados Unidos é um péssimo exemplo nos países desenvolvidos. Parabéns Presidente Macron. Você tem um arsenal nuclear. Não aceite desaforo dessa escória maldita. Parabéns também a garota Mila, linda e inteligente. Infelizmente os ateus do mundo estão acovardados em seu comodismo. Os cientistas estão destruindo a religião sem gastar uma bala, apenas com os avanços científicos e tecnológicos dos meios de comunicação de massa, espalhando informações aos quatro cantos do planeta. Todavia, os ateus devem se unir, formar uma força planetária para combater esses malditos seres da caverna de Platão, que estão mais fortes que nunca. Apesar da Ciência. É inacreditável a resiliência dessas pragas malditas que querem levar a humanidade de volta à Idade das Cavernas. Ateus e cientistas unidos jamais serão vencidos! LUÍS CARLOS BALREIRA. PRESIDENTE MUNDIAL DA LEGIÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA.

      Excluir
  3. Todas as religiões são odiosas, assassinas, genocidas, arrogantes, pretenciosas, e querem o poder políticos e administrativo dos Estados, ou seja, transformar o mundo naquilo que sempre foi, guerras, carnificinas, massacres, torturas, etc. O ateísmo científico é a grande esperança de extinguir as religiões por meio do conhecimento, da ciência, das tecnologias, etc. As repúblicas laicas são covardes, tornaram as religiões intocáveis. Religião é mil vezes pior que o HIV e todas as doenças do mundo. Por que essa praga fica incubada na humanidade. Os malditos políticos querem votos dessa corja imunda. Os Estados Unidos é um péssimo exemplo nos países desenvolvidos. Parabéns Macron. Você tem um arsenal nuclear. Não aceite desaforo dessa escória maldita. Parabéns também a garota Mila, linda e inteligente. Infelizmente os ateus do mundo estão acovardados em seu comodismo. Os cientistas estão destruindo a religião sem gastar uma bala, apenas com os avanços científicos e tecnológicos dos meios de comunicação de massa, espalhando informações aos quatro cantos do planeta. Todavia, os ateus devem se unir, formar uma força planetária para combater esses malditos seres da caverna de Platão, que estão mais fortes que nunca. Apesar da Ciência. É inacreditável a resiliências dessas pragas malditas que querem levar a humanidade de volta à Idade das Cavernas. Ateus e cientistas unidos jamais serão vencidos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Editor deste site
Paulo Lopes é jornalista
Trabalhou no jornal 
abolicionista Diario Popular, 
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras 
 publicações. 
Contato

POSTS MAIS LIDO EM 7 DIAS

Hospital de campanha de evangélicos em Nova York não aceita voluntários gays

Ministro de Israel que disse ser o Covid-19 castigo divino contra gay pegou o vírus

Cristianismo é a religião que mais perseguiu o conhecimento científico