Pular para o conteúdo principal

Precisamos de valores baseados não na fé, mas na ciência, afirma Dalai Lama

Mensagem do líder budista
 serve como um conselho
 às pessoas obscurantistas

Dalai Lama (foto) escreveu no Twitter uma mensagem que parecido ter sido destinada aos mais retrógrados, que, no Brasil, estão amplamente representados no governo. 

Escreveu o líder budista:

“O que precisamos hoje são valores universais baseados não na fé, mas em descobertas científicas, experiência comum e senso comum”.

Ele tem 19 milhões de seguidores no Twitter.

Não é a primeira vez que Dalai Lama afirma que a fé não é a solução.

Em 2018, ele escreveu que a paz mundial não será obtida somente com orações. “Em vez disso, precisamos estar entusiasmados e autoconfiantes em agir.”

Em 2016, ele escreveu algo se aplica ao Brasil. Disse que chegou a hora de as pessoas considerar seriamente mudar o modo de vida, “não com da oração ou do ensino religioso, mas com educação”.

Em 2015, ao comentar o ataque de terroristas islâmicos em Paris, o líder budista disse: “A violência é uma reação de pessoas míopes e descontroladas. Aos 81 anos, eu acredito que ela não pode ser resolvida com orações ou ajuda do governo. Temos de começar a mudança no nível individual e depois avançar para a vizinhança e a sociedade”.


Com informação do Twitter, deste site e de outras fontes.




Lesão no cérebro resulta em fanatismo religioso, diz estudo

Autor mostra em 'Lunáticos por Deus' a insanidade das religiões

Onde termina o extremismo religioso e começa a loucura?

Fanatismo evangélico ameaça a democracia no Brasil, diz reverendo



Comentários

Unknown disse…
Concordo com o Mestre Budista fé e uma doença mental que causa ansiedade, depressão . A maioria dos crentes vao no psiquiatra e disfarçam que estão bem. Mas a mente deles ta um transtorno de pensamentos.

Posts + acessados hoje

Desmascarador de curandeiros e paranormais, James Randi morre aos 92 anos

Fortalecida pelo bolsonarismo, associação de juristas evangélicos ameaça o Estado laico

Natalia Pasternak é a primeira brasileira a integrar o comitê cético de Carl Sagan