Pular para o conteúdo principal

Jornal francês Le Monde diz que Igreja Católica vai morrer se não se reformar

Jornal francês reconhece que
 papa Francisco está enfrentando
 muito resistência para reformar
e salvar a Igreja

Pela primeira vez, o adjetivo não é exagerado: a crise pela qual a Igreja Católica está passando é histórica. Mesmo lá dentro, há muitos que comparam sua amplitude com a da Reforma Protestante.

Vários fatores concorrem para abalar uma instituição que se modelou, em seu nascimento, nas formas do Império Romano. A quase completa secularização do Ocidente fez desaparecer a ideia de um centro cristão com a missão de evangelizar o resto do mundo. 

"Não estamos mais na cristandade", resumiu o papa Francisco em seu discurso à cúria romana no sábado, 21 de dezembro de 2019.

 Mesmo onde está se expandindo, como na África e na Ásia, a Igreja Católica sofre forte concorrência das igrejas pentecostais, que criam dificuldades também a seu bastião latino-americano (40% dos católicos do mundo). 

As revelações sobre as violências sexuais contra menores e mulheres ainda não terminaram. Como consequência causam uma diminuição dos recursos não apenas do Vaticano, mas também das Igrejas locais, particularmente na França, com a diminuição das ofertas.

Eleito em uma atmosfera de urgência, o papa Francisco está convencido da necessidade de uma mudança profunda para salvar (em sentido profano, pelo menos) a Igreja Católica. 

Ele citou Giuseppe Tomasi di Lampedusa para convencer a cúria de que não se trata de que "tudo mude" para que "tudo permaneça como está".

De fato, desde 2013, ele tem pressionado a Igreja, querendo ou não, a se reformar em vários níveis. Enquanto seus dois antecessores haviam colocado o problema dos comportamentos sexuais em primeiro plano em suas pregações, Francisco mergulha no coração das preocupações contemporâneas com seus fortes discursos sobre a crise climática, sobre as críticas ao capitalismo financeiro e em defesa dos migrantes.




Tendo negligenciado o problema por um longo tempo, ele decidiu ouvir as vítimas da pedofilia e começou a mudar as regras sobre a forma com que a hierarquia lidava com os escândalos. 

Em Roma, empenha-se a racionalizar o governo da cúria, especialmente em questões econômicas, e a desarticular a tendência conservadora da administração. 

"Na tensão entre um passado glorioso e um futuro criativo em movimento, há o presente em que as pessoas estão e que precisam necessariamente de tempo para adquirir maturidade", disse ele no sábado.

E, no entanto, o Francisco reformador às vezes parece parar no meio da travessia, por razões em que se misturam a resistência à mudança de sua comitiva e reticências de sua parte para fazer evoluir alguns aspectos que estruturam a Igreja Católica há séculos.

Diante das guerras internas da cúria no escândalo financeiro em curso no Vaticano, enfraquece a célula antilavagem de dinheiro que havia contribuído para sanar os circuitos financeiros da Santa Sé.

Ele denuncia continuamente o clericalismo, mas os leigos continuam a ser mantidos à margem das mais altas funções curiais. O mesmo vale para as mulheres, enquanto pede maior participação para elas. Quanto ao sacerdócio, pedra angular de uma estrutura baseada no monopólio dos sacramentos, Francisco planeja abri-lo excepcionalmente a homens casados, mas não às mulheres.

"Eu sou filho da Igreja", o papa gosta de dizer para expressar seu amor pela instituição. Lá dentro, alguns o comparam a Mikhail Gorbatchov. Como se a Igreja Católica precisasse fazer desmoronar suas estruturas para sobreviver às crises existenciais que a ameaçam. Como se essa batalha ainda não tivesse sido vencida.

Editorial do jornal francês foi publicado no dia 26 de dezembro de 2019. A tradução para o português é de Luisa Rabolin para o IHU Online.





Igreja Católica vai acabar se não der reviravolta em cinco anos, diz padre

Secularização fechará 65% das igrejas da Holanda em dez anos

Suíça não sabe o que fazer com centenas de igrejas vazias

No Canadá, Igreja Católica fecha um templo por semana, e empresas compram o espaço




Comentários

Posts + acessados hoje

Vídeo mostra que filho de Testemunhas de Jeová já discrimina colega da escola

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Carta aberta de um ateu a Damares Alves: 'Não mexa com a minha Netflix'