Presidente da Zâmbia critica ateus durante oração para chover

Humanistas e ateus do país
 criticaram o presidente Lungu
por discriminação religiosa

Em uma recente aparição pública, o presidente Edgar Lungu, da Zâmbia, enfiou uma crítica aos ateus em uma oração para chover.

“Vamos orar a Deus que Ele nos dê chuvas suficientes para plantarmos e colhermos. Estou dizendo isso sem vergonha porque existem alguns zambianos que não querem invocar a Deus Todo-Poderoso, mas acreditamos que existe um Deus Todo-Poderoso que cuida de nós e é muito providente, e Ele nos provê."

A organização Humanistas e Ateus da Zâmbia emitiu uma nota de repúdio às palavras de Lungu.

“A liberdade de e da religião é um direito que todos devem gozar sem enfrentar discriminação ou preconceito e, como tal, é preciso denunciar fortemente os sentimentos compartilhados por nosso presidente. Ter opiniões diferentes em relação à crença não dá a ninguém o direito de mostrar preconceito", afirma a nota.

“Como humanistas, acreditamos que os ateus podem fazer muito bem a este mundo sem a necessidade de religião, a crença em um deus ou outras forças sobrenaturais, acreditamos que essa é a única vida que temos e que podemos ter vidas satisfatórias, com base na razão."

Com informação e foto do site da ong Humanistas e Ateus da Zâmbia e de outras fontes.



Jesus nada fez para salvar a África da maldade europeia por mais de 350 anos

Universal cresce na África com promessas de prosperidade

Tanzânia lidera matança de albinos para feitiçaria

Humanos saíram da África 500 mil anos antes do que se supõe, concluem brasileiros




Comentários

  1. “Se você rezar por chuva por bastante tempo, ela cairá; se rezar para que cessem as enchentes, elas cessarão. O mesmo acontecerá se você não rezar”. (Steve Allen).

    “Se lhe ensinarem que Deus faz chover, toda vez que chover a chuva é a prova de Deus.” (autor anônimo)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

EDITOR DESTE SITE



Paulo Lopes é jornalista profissional diplomado.
Trabalhou no jornal centenário abolicionista
Diário Popular, Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras publicações.