Nos EUA, pais preferem cura pela fé à medicina e filho de 7 anos morre

Adotado, Seth Johnson
 estava com pancreatite
 aguda e sepse 

Os pais Timothy e Sarah Johnson estão sendo acusados por negligência pela Promotoria Pública do Estado de Minnesota (EUA) pela morte de seu filho adotivo de 7 anos.

Em 2015, Seth Johnson (foto) sofreu meses com pancreatite aguda e sepse.

Os pais preferiram “orar” pela cura do menino a levá-lo a um médico.

Acharam que, com a ajuda de Deus, não precisavam chamar um doutor, até porque eles mesmos medicaram o filho com pomada antibiótica e mel medicinal.

Os pais declararam à polícia na época que “têm problemas com médicos”.

O garoto morreu no dia 30 de março daquele ano.

Na constatação de óbito, o corpo apresentava lesões e múltiplas contusões e estava coberto de vômito.

Em 2016, os pais fugiram para a Nova Zelândia, de modo a não serem processados pela negligência.

Agora eles concordaram em comparecer a um Tribunal dos Estados Unidos para um julgamento.

Naquele país, nos Estados mais religiosos ocorrem com frequência morte de filhos de casais que recusam a medicina por acreditaram na cura pelo poder divino.

Com informação das agências e foto de arquivo pessoal.



'Cura pela fé' faz religiosos liderarem mortalidade infantil

Gilson teve cura divina, parou de tomar remédios e morreu

Vanuzia conta na tv o estupro que sofreu de Abdelmassih

Oregon condena por homicídio casal que tentou curar bebê com orações




Comentários


EDITOR DESTE SITE

Paulo Roberto Lopes é jornalista

profissional diplomado. Trabalhou

no jornal centenário abolicionista

Diario Popular, Folha de S.Paulo,

revistas da Editora Abril e

em outras publicações.

Contato