Gilson teve cura divina, parou de tomar remédios e morreu

Harley Henriques
Harley:
 advertência
aos pastores
O corpo de Gilson de Oliveira Silva, 44, foi sepultado domingo (30) no Cemitério Quinta dos Lázaros, em Salvador (BA). No mesmo dia, a sua família informou que vai à Justiça para tentar responsabilizar uma pastora da Igreja Ministério do Fogo pela morte.

Portador do vírus HIV, o desempregado Gilson tinha câncer no rosto e estava se tratando com médicos do Hospital das Clínicas da cidade, que lhe fornecia os medicamentos.

Familiares do Gilson contam que ele parou de tomar os remédios depois que ouviu a pastora lhe dizer que  tinha sido agraciado com uma ‘revelação divina de cura’. Em seis meses, Gilson morreu.

Harley Henriques (foto), do Gapa (Grupo de Apoio à Prevenção à Aids) da Bahia, falou que esse caso deveria servir de advertência aos pastores que anunciam cura. “A igreja, seja qual for, não pode interferir no saber médico e colocar vidas em risco.”

Simone Oliveira Silva, irmã de Gilson, disse que “a fé nas revelações divinas” cegou o seu irmão. A igreja não se manifestou, segundo a imprensa de Salvador.

O criminalista Sérgio Reis afirmou que se trata de uma questão que afeta a todos, não só à família de Gilson. “O rapaz pode ter transmitido o HIV a outras pessoas por acreditar que estava curado.”

O Ministério Público deveria agir em casos como o do Gilson, disse.





Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé
maio de 2009