Justiça cancela prisão domiciliar do estuprador Roger Abdelmassih

Perícia médica conclui
 que o ex-médico tem
 condições de saúde para cumprir
 pena em regime fechado

da Agência Brasil

A Justiça de São Paulo revogou em 17 de outubro de 2019 o benefício de prisão domiciliar humanitária do ex-médico Roger Abdelmassih (foto), condenado a mais de 181 anos de reclusão por estupro de pacientes em sua clínica de reprodução.

A decisão é da juíza Andréa Barreira Brandão, da 3ª Vara de Execuções Criminais da Comarca de São Paulo.

Segundo a magistrada, o resultado de uma perícia médica concluiu que o réu está em condições de fazer seu tratamento de saúde na modalidade ambulatorial e, por isso, ele estaria em condições de cumprir a pena na prisão em regime fechado.

De acordo com a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), Abdelmassih foi levado para a Penitenciária II de Tremembé, onde chegou hoje por volta das 18h.

Durante o cumprimento de sua condenação, Abdelmassih foi beneficiado com a prisão domiciliar humanitária desde que fossem cumpridas algumas condições, como a de ser submetido a perícia médica trimestral, a fim de se constatar sua condição física, e a possibilidade de retomada do regular cumprimento do restante da pena na prisão.

A reportagem tentou contato com a defesa do ex-médico, mas não obteve sucesso.

Com foto da Agência Lusa.



Caso Roger Abdelmassih

Ex-médico Abdelmassih pede censura a livro que o levou de volta à prisão

Abdelmassih inseminava pacientes com seu sêmen

Avaré vai revogar título de cidadão concedido a Roger Abdelmassih




Comentários