Procuradoria defende que Testemunhas de Jeová não sejam forçadas à transfusão

Dodge diz que a recusa dos religiosos
 ao procedimento médico deve ser
respeitada; STF vai decidir

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, ajuizou no Supremo Tribunal Federal (STF), no dia 9 de setembro de 2019, uma ação para permitir que pacientes Testemunhas de Jeová maiores de idade e capazes não sejam obrigados a receber transfusão de sangue, mesmo na hipótese de risco iminente de morte.

Na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF 618), Dodge afirma que há lesão a dignidade da pessoa humana, de consciência e de crença em várias decisões judiciais, atos do Conselho Federal de Medicina e de instituições de saúde que negam as Testemunhas de Jeová o direito de recusar a transfusão de sangue.

Na ação, Dodge afirma que na interpretação das Testemunhas de Jeová da Bíblia, “Deus permite o consumo da carne de animais, mas impõe a abstenção do respectivo sangue, que representa a alma e a vida”.

Seus membros são conhecidos pelo persistente proselitismo religioso, pela não intervenção em atividades políticas e militares e, mais especificamente, pela recusa a transfusões de sangue.

Com tal entendimento, as Testemunhas de Jeová se sentem impura e indigna do reino e Deus.

Até o ano 2000, o membro que aceitasse transfusão de sangue perdia a condição de “irmão” na comunidade religiosa e o convívio social.

Desde então, porém, a comunidade passou a não mais excluir o membro que aceita a transfusão de sangue, deixando a cargo da Testemunha de Jeová a sua autoexclusão, segundo a sua própria consciência.

A procuradora-geral da República salienta que a recusa no recebimento de transfusão não significa desejo de morte ou desprezo pela saúde e pela vida.

Dodge destaca que a Testemunha de Jeová “defende e incentiva a existência e o desenvolvimento de métodos alternativos à transfusão de sangue, mas, na sua impossibilidade, prefere se resignar à possibilidade eventual de morte do que a violar suas convicções religiosas”.

Com informação da PGR, STF e Jota.



Testemunha de Jeová recusa sangue, morre e deixa 9 filhos

Bebê morre porque fanática religiosa impediu transfusão

Mulher com câncer recebe sangue para não morrer e é rejeitada por filhas TJs

Ex-TJs queimam cartão pessoal de proibição à transfusão de sangue





Comentários

Anônimo disse…
Essa procuradora lixo não vale nada, o que vai ter de inocente morrendo sendo confundidos com Testemunhas de Jeová..
Luiz Albserto disse…
BOMBA CONTRA A HERESIA DAS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ. O SANGUE E A VIDA, A LEI E O AMOR

Começando no final dos anos 40, a organização declarou inicialmente a proibição absoluta de aceitar sangue sob qualquer forma, quer total quer em frações. Alega-se agora que quatro “componentes primários” – glóbulos vermelhos, glóbulos brancos, plaquetas e plasma – são proibidos, mas as “frações” derivadas de todos os quatro “componentes primários” são permitidas. Porém, já que a Bíblia não fala de “componentes primários” mais do que fala sobre “frações”, este argumento é falso.
https://www.youtube.com/watch?v=J87jghuCED0&feature=em-comments