STF autoriza investigação da pastora Flordelis no caso da morte do marido

Deputada é suspeita
 de ter envolvimento no
 assassinato do pastor
 Anderson do Carmo


por André Richter
para Agência Brasil

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso decidiu em 1º de agosto de 2019 que o Ministério Público do Rio de Janeiro e a polícia podem prosseguir com as investigações sobre a suposta participação da deputada federal e pastora Flordelis dos Santos de Souza (PSDB) no assassinado de seu marido, o pastor evangélico Anderson do Carmo, ocorrido em junho deste ano. 

Após iniciar a investigações, o MP enviou o caso para o Supremo por constatar o possível envolvimento da deputada no crime. Como deputados têm foro privilegiado na Corte, os promotores pediram uma manifestação sobre a continuidade das investigações na primeira instância da Justiça.

Ao decidir o caso, o ministro Barroso entendeu que o suposto crime de homicídio não tem relação com o mandato parlamentar. Dessa forma, a investigação deve continuar na primeira instância. 

"O foro privilegiado constitui instrumento para garantir o livre exercício de certas funções públicas, não havendo sentido em estendê-lo a crimes que, cometidos após a investidura, sejam estranhos ao exercício das respectivas funções", disse.

Em 2018, a Corte decidiu restringir o foro e determinou que parlamentares só podem responder a processos no STF se as acusações estiverem relacionadas com o mandato.

Em nota, a assessoria da deputada afirma que, em razão da decisão do STF, é preciso esclarecer que, em nenhum momento, Flordelis solicitou ou reivindicou a prerrogativa de não ser investigada pela polícia e pela Justiça. 

"O STF foi provocado pelo Ministério Público, porque a lei assim exige."
O texto afirma que, antes da decisão do ministro Barroso, a deputada já tinha se colocado à disposição da polícia. 



Igreja mente ao afirmar que assassino não é seu pastor

‘Fogueirinha’ que matou fiel foi ordem de Deus, afirma pastor

Fiéis acusam pastor de abuso em sessões de cura

Evangélicos dizem que morte de Boechat foi castigo por ele ter xingado Malafaia


Comentários

EDITOR DESTE SITE



Paulo Lopes é jornalista profissional diplomado.
Trabalhou no jornal centenário abolicionista
Diário Popular, Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras publicações.