Nova lei de abuso de NY inclui casos de padres e Testemunhas de Jeová

Sacerdotes se destacaram
 no primeiro dia de vigência,
 com 400 casos protocolados

por João Ozorio de Melo
para Conjur

No primeiro dia de vigência da lei estadual que suspende por um ano a prescrição de crimes de abuso sexual de menores, mais de 400 ações foram protocoladas nos tribunais do estado de Nova York por vítimas que agora são adultas.

A lei Child Victims Act (CVA), que foi promulgada em 14 de fevereiro  de 2019 e entrou em vigor nesta quarta-feira (14 de agosto de 2019), deverá resultar em milhares de ações de adultos que foram vítimas de abuso sexual quando crianças, mas não tiveram coragem de denunciar os criminosos e as instituições que os protegeram.

Só um escritório de advocacia, o Weitz & Luxenberg, está preparando ações de 1,2 mil clientes em todo o estado. São do escritório 10 das 427 ações protocoladas na quarta-feira.

Do total de ações movidas até agora, 169 foram protocoladas em tribunais da cidade de Nova York, e 258, em tribunais de outros distritos da cidade, informou a porta-voz do Sistema Unificado das Cortes de Nova York, Lucian Chalfen, segundo a CNN.

O porta-voz informou que o Judiciário já montou uma equipe inicial de 45 juízes para presidir os julgamentos. Em um comunicado, o chefe administrativo das cortes de Nova York, juiz Lawrence Marks, declarou que o Judiciário assumiu o compromisso de fornecer recursos suficientes e apropriados para julgar esses casos “expeditamente”.

Entre as organizações processadas estão a Arquidiocese de Nova York, a direção das Testemunhas de Jeová, a Universidade Rockefeller e a organização Boy Scouts of America, que tem mais de 4,5 milhões de membros nos EUA.

Para as vítimas, está chegando o “dia do juízo final” (day of reckoning) para essas instituições. A Arquidiocese de Nova York declarou que vem se preparando para enfrentar a situação desde fevereiro, mas espera que seja levado em consideração seu bem-sucedido programa de compensação rápida às vítimas e suas famílias, chamado de “Programa Independente de Reconciliação e Compensação”.

Individualmente, o caso mais famoso é o do espólio de Jeffrey Epstein, um financista com um patrimônio avaliado em US$ 559 milhões, que foi encontrado morto em sua cela na prisão (supostamente por suicídio) no sábado. Epstein fora acusado de abuso sexual e tráfico de menores.



Igreja Católica fecha 40 igrejas em Nova Iorque por falta de fiéis

Ex-fiel diz por que as Testemunhas de Jeová são uma 'seita destrutiva'

41 pessoas contam a jornal que foram abusadas por Testemunhas de Jeová

TJs da Austrália acobertam mais de mil casos de pedofilia




Comentários