Canadá condena casal pela morte de filho que tentou curar com remédios de Deus

Jennifer e seu marido
acabaram matando Ryan
 por adotarem recomendações
 da Igreja Adventista do 7º Dia

[contém opinião] Um casal do Canadá descobriu que negligenciar a ciência por causa de dogmas religiosos às vezes pode ser cruel e fatal

Um júri de Calgary condenou os adventistas do 7º Dia Jennifer e Jeromie Clark a três anos de prisão pela morte de seu filho Ryan Alexander Lovett, de 7 anos, em novembro de 2013.

Com cerca de 1,5 milhão de habitantes, Calgary é a maior cidade da província canadense de Alberta.

O menino tinha contraído infecção por estafilococos, com erupções na maior parte do corpo. Subnutrido, ele ficou mais fragilizado às bactérias.

Se os pais tivessem levado o garoto a um hospital, a garantia de cura seria de 100%, mas Jennifer e Jeromie Clark, por causa de sua religião, adotaram "remédios divinos": água, alimentação saudável, ar puro, luz do Sol, exercício físico, repouso e confiança em Deus.

Vida saudável que não cause subnutrição faz bem, mas, por conta disso, descartar a medicina é irresponsabilidade, principalmente quando quem sofre as consequências é um bebê, que não tem como se defender.

Esses fundamentalistas são tão estúpidos que, mesmo pela lógica religiosa, haveria uma razão para usar a ciência: se Deus deu ao homem o poder de desenvolver remédios, por que não utilizá-los?

Jennifer e Jeromie Clark declaram ao júri que se arrependeram de não levar o filho a um médico.

O juiz Paul Jeffrey reconheceu que os pais demonstraram um “genuíno remorso” e que ficou comprovado que eles são “cidadãos exemplares, tolerantes com os outros, pai e mãe incríveis”.

Mas Jeffrey disse que aplicou uma punição tido com dura ao casal para que outros fundamentalistas religiosos não matem seus filhos, ainda que bem intencionados.

Jennifer e Jeromie Clark
pagaram com a morte do filho
 pela cegueira de sua religiosidade

Com informação da CBC News Canadá e de outras fontes, com foto de divulgação.





'Cura pela fé' faz religiosos liderarem mortalidade infantil

Drauzio Varella afirma nunca ter visto cura com força do pensamento

Iurd prega na Nova Zelândia que óleo cura doença e casamento

Angolano aidéticos deixam remédios por crer em cura

Americanos aceitam culpa pela morte de filho por ‘cura divina'



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários

  1. Acredito que a unica coisa boa nessa tragedia ... eh que eles não vão deixar descendentes fanáticos ...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

EDITOR DESTE SITE



Paulo Lopes é jornalista profissional diplomado.
Trabalhou no jornal centenário abolicionista
Diário Popular, Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras publicações.