Prefeito de SP quer isentar de imposto imóveis empresariais de igrejas

Gestão de Bruno Covas
 se destaca pela excelência
 de sua transgressão

O prefeito Bruno Covas (PSDB), de São Paulo, quer conceder isenção de IPTU aos imóveis de “atividades empresariais” ligados a igrejas.

Ele enfiou sorrateiramente esse benefício no texto de um projeto de lei que, de princípio, foi elaborado apenas com o objetivo de reparar cobrança indevida do imposto a 90 mil imóveis.

O projeto de lei será submetido ao plenário da Câmara nas próximas semanas.

O vereador Police Neto (PSD) criticou a intenção de Covas, porque, se o projeto for aprovado, “qualquer empreendimento vai construir uma igreja ou um templo para obter a isenção do IPTU”.

Pelo jeito, Covas procura cometer transgressão com excelência.

Com um só golpe, ele quer ferir o Estado laico, lesar os cofres públicos e instituir deslealdade de concorrência, favorecendo líderes evangélicos.

Com informação da Folha de S.Paulo e de outras fontes.




Afinal, por que igrejas e suas entidades não pagam impostos?

Jornalista que critica Estado laico desconhece história

Defensores do Estado laico são ‘intolerantes’, diz apresentadora

Jornalista da Folha acha que Estado laico é coisa só de ateus



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários

Pior uns sem noção que "se TODAS as igrejas, inclusive espaços esotéricos e afins" tiverem isenções, "não" fere a laicidade... Mas o cidadão honesto, as empresas etc tem que pagar impostos e acabam INDIRETAMENTE pagando essas isenções para crédulos. Assim como os não adeptos de crendice alguma é que pagam também...
Laicidade é IMPEDIR QUALQUER benesse ás igrejas, espaços esotéricos e afins. Liberdade de crença é algo da PESSOA antes de tudo. Intituições crédulas devem ser tratadas com rigor, pagando impostos, sujeitas às ficalizações etc.