Brunei adota lei islâmica que pune gay com apedrejamento até a morte

Implementação da
sharia impõe também
 penas mais rígidas
para as adúlteras

Brunei adotou punição a homossexuais de apedrejamento até a morte. A lei que estava vigor previa prisão de até 10 anos.

Com base na sharia, a nova legislação entrou em vigor no dia 3 de abril de 2019.

Ela também prevê rigor para outros crimes, incluindo amputação para caso de roubo.

Brunei é um país que fica no sudeste asiático e tem 420 mil habitantes. Dois terços desse total são muçulmanos.

É governado há mais de 50 anos pelo sultão e primeiro-ministro Hassanal Bolkiah.

“Quero que os ensinamentos islâmicos se fortaleçam neste país”, disse.

A Organização das Nações Unidas classificou a legislação "cruel, desumana e degradante".

Celebridades, como o ator 
George Clooney, estão promovendo
um boicote a hotéis de luxo,
como o Beverly Hills, mantidos
 por fundo de investimentos da
família de Bolkiah.

Com informação das agências.




Aviso de novo post por e-mail

Maioria dos muçulmanos quer adoção da sharia, mostra estudo

Imã de mesquita da Dinamarca prega chibatadas a adúlteros

Bolsonaro retuita imagens de muçulmanos apedrejando uma mulher

Muçulmana é morta a pedradas por participar de concurso




Católicos radicais também seguem uma 'sharia', diz Maher


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

EDITOR DESTE SITE

Paulo Lopes é jornalista profissional diplomado.
Trabalhou no jornal centenário abolicionista
Diario Popular, Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras publicações.