Igreja Católica do Chile é condenada a indenizar vítimas de padre pedófilo

Igreja acobertou
por décadas o pedófilo
Fernando Karadima 

A Justiça do Chile determinou em 27 de março de 2019 que a Igreja Católica pague indenizações a três vítimas do padre pedófilo Fernando Karadima (foto).

A decisão da  Corte de Apelação de Santiago foi unânime, em benefício de James Hamilton, Juan Carlos Cruz e José Andrés Murillo. Cada um deles receberá US$ 150 mil. 

As denúncias foram feitas em 2010, abrindo um escândalo que até hoje a Igreja Católica no Chile. 

Ministério Público contabiliza ao menos 158 casos de abuso sexual no clero, com 219 pessoas investigadas e 241 vítimas, sendo que 123 eram menores de idade na época dos supostos crimes. 

Karadima foi condenado em 2011 a uma “vida de oração e penitência” e permaneceu como membro da hierarquia católica até setembro de 2018, quando o papa Francisco revogou seu estado clerical.

Os crimes ocorreram na década de 1980, quando o então padre de El Bosque, nos arredores de Santiago, construiu um império econômico e de influência graças a doações recebidas da oligarquia chilena.

Hoje com 88 anos, Karadima foi acobertado pelo episcopado do Chile, principalmente o ex-bispo de Osorno Juan Barros Madrid, que perdeu o cargo em junho de 2018.

Barros foi pupilo de Karadima no seminário e era seu homem de confiança.

Cruz, Hamilton e Murillo se encontraram com o papa Francisco no início de maio de 2018, mas tiveram suas denúncias desacreditadas pela Igreja.

O próprio Jorge Bergoglio chegou a dizer que as acusações contra Barros eram “calúnias”, mas depois pediu desculpas e reconheceu ter cometido um “erro de avaliação”. 

Com informação das agências.




Aviso de novo post por e-mail

Presidente do Chile acusa Igreja Católica de acobertar abusos de crianças

Manual da Igreja Católica do Chile proíbe padres de dormirem com adolescentes

Vaticano foi cúmplice do golpe no Chile, revela Wikileaks




Chile está deixando de ser um país católico, revela pesquisa


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

EDITOR DESTE SITE



Paulo Lopes é jornalista profissional diplomado.
Trabalhou no jornal centenário abolicionista
Diário Popular, Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras publicações.