Militantes de direita atacam mesquitas em NZ e matam pelo menos 49 pessoas

Ataques simultâneos a duas mesquitas na cidade de Christchurch, no sul da Nova Zelândia, deixaram pelo menos 49 mortos e 48 feridos. Autoridades classificaram o crime como ataque terrorista de extrema direita.

Um dos ataques foi transmitido ao vivo no Facebook, de acordo com as autoridades. A rede social informou que rapidamente tirou do ar a transmissão, mas na internet circula gravação de sequência de imagens de quase 20 minutos.

Pelo menos 48 pessoas, incluindo crianças, estão em hospitais em decorrência de ferimentos a bala. A polícia pediu o fechamento de mesquitas na Nova Zelândia.

Quatro suspeitos estão sob custódia, segundo a polícia. Um deles foi acusado de assassinato.

O comissário de polícia da Nova Zelândia, Mike Bush, disse que os suspeitos não eram conhecidos pelas autoridades. Bush afirmou ainda que dois dispositivos explosivos improvisados ​​foram descobertos em um carro.

A polícia australiana no estado de New South Whales reforçou a segurança, enquanto a estação de trem em Auckland foi evacuada.




A primeira-ministra britânica, Theresa May, descreveu a tragédia como um "ato repugnante de violência". "Em nome do Reino Unido, minhas mais profundas condolências ao povo da Nova Zelândia depois do horripilante ataque terrorista em Christchurch", disse May.

A chanceler alemã, Angela Merkel, condenou os ataques, segundo o porta-voz do governo, Steffen Seibert. "Eu lamento com os neozelandeses por seus compatriotas, que oravam pacificamente quando atacados em suas mesquitas e assassinados por ódio racista", afirmou Merkel. "Estamos lado a lado contra esse terror."

O primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, condenou os ataques, dizendo que "o terrorismo não tem religião". "Eu culpo esses crescentes ataques terroristas à atual islamofobia pós-11 de setembro, onde o Islã e 1,3 bilhão de muçulmanos foram coletivamente responsabilizados por qualquer ato de terror por um muçulmano", disse.

A Comissão de Direitos Humanos da Nova Zelândia exortou as pessoas do país a "se unirem". "A Nova Zelândia é um dos países com maior diversidade étnica do mundo e recebemos pessoas de todas as religiões e origens. Precisamos lembrar o poder da diversidade. Juntos, somos mais fortes.”

 

Com informações da DW, agência pública de notícias da Alemanha.





Aviso de novo post por e-mail

Cristão de extrema direita diz merecer medalha por massacre

Vocalista do Iron Maiden chama terrorista cristão de ‘cuzão’

Para atirador norueguês, 'mistura de raças no Brasil é devastadora'





Onde termina o extremismo religioso e começa a loucura?


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

-------- Busca neste site