Veja simulação do pouso de sonda japonesa no asteroide Ryugu

da Agência Brasil

A Agência de Exploração Aeroespacial do Japão (Jaxa) anunciou que ocorreu com êxito o pouso da sonda  Hayabusa 2 no asteroide Ryugu, na primeira etapa da sua missão de coletar amostras de rocha no corpo celeste.

A Jaxa informou que o equipamento pousou no asteroide às 7h29 desta sexta-feira (22) — horário japonês.

Veja simulação no vídeo abaixo e o que está planejado para ocorrer até 2020

Partindo de uma altitude de 20 mil metros, a Hayabusa 2 iniciou a descida em direção à superfície de Ryugu pouco depois das 13h de ontem. O destino era uma estreita área de pouso com 6 metros de diâmetro. Quando estava a 500 metros da superfície do asteroide, a sonda mudou para modo automático de pouso.





A Hayabusa 2 está equipada com um aparelho de coleta de rochas com cerca de 1 metro de comprimento, que se estende da sua base para entrar em contato com a superfície do corpo celeste.

O aparelho foi projetado para lançar projéteis na superfície do asteroide e, com a agitação resultante, coletar as rochas. A Jaxa declarou que um dos projéteis foi disparado a contento.

A equipe do centro de controle da Jaxa, situado perto de Tóquio, comemorou muito quando se confirmou o sucesso do pouso.

Após a conclusão dos passos programados, a Hayabusa 2 deverá retornar a uma altitude de 20 mil metros do asteroide e preparar, então, o pouso seguinte. A Jaxa planeja mais uma ou duas tentativas de coleta de rochas antes que a sonda se afaste definitivamente de Ryugu.

A Hayabusa 2 iniciou a sua jornada em 2014 e, em junho do ano passado, se aproximou do espaço em torno do asteroide, distante 300 milhões de quilômetros da Terra. 

O retorno da sonda à Terra está previsto para o final de 2020.







Aviso de novo post por e-mail

Estudo conclui que a Lua foi habitável há 4 bilhões de anos

Astrônomos descobrem que Júpiter tem mais 12 luas, agora no total de 79

Brasileiros participam da observação de fusão de estrelas





Carl Sagan escreve sobre um 'pálido ponto azul' nos cosmos, a Terra


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários