‘Deus acima de tudo’ deveria causar calafrio em quem sabe história, diz jornalista

Cristãos antecederam o
Estado Islâmico no ataque
 à cidade de Palmira

O slogan da campanha eleitoral de Jair Bolsonaro que inclui o lema “Deus acima de todos” deveria causar calafrio em pessoas que sabem um pouco da história, escreve Hélio Schwartsman.

O jornalista da Folha argumenta que o terrorismo do Taleban e Estado Islâmico serve para se ter ideia do poder destrutivo do cristianismo em diferentes períodos históricos.

Ele citou o livro The Darkening Age ("A Idade das Trevas"), de Catherine Nixey, que mostra que o avanço do cristianismo detonou 90% da literatura clássica.

“Como a maioria dos brasileiros votou em Jair Bolsonaro conhecendo seu lema, parece lícito concluir que ou a maioria das pessoas é masoquista ou não é historicamente alfabetizada.”

O deputado Marco Feliciano (Podemos-SP) vestiu a carapuça.

Sem considerar que a opinião de um jornalista não é necessariamente a do jornal, o deputado evangélico falou em plenário que a “Folha se tornou um jornaleco”.

Segue a íntegra do texto de Schwartsman.

Trevas cristãs

O “Deus acima de todos” que integrou o lema da campanha de Jair Bolsonaro e ainda o acompanha em muitas de suas declarações deveria provocar calafrios em todas as pessoas historicamente alfabetizadas, sejam elas religiosas ou não. Como a maioria dos brasileiros votou em Jair Bolsonaro conhecendo seu lema, parece lícito concluir que ou a maioria das pessoas é masoquista ou não é historicamente alfabetizada.

Nesta última hipótese, nossos professores de história, todos eles esquerdistas, fracassaram miseravelmente em mostrar para seus alunos os crimes cometidos em nome de Deus. Um bom jeito de sanar essa falha é a leitura de “The Darkening Age” (a idade das trevas), de Catherine Nixey (há uma edição lusitana).




A tese central do livro é simples. O cristianismo triunfou na Europa e cercanias destruindo o mundo clássico que o precedeu. O “destruir” deve ser interpretado literalmente, para incluir a pilhagem de templos, vandalização de estátuas, queima de livros e, é claro, tortura e assassinato de adversários. Nixey conta os detalhes dessa história.

Para dar uma ideia da escala da destruição, estima-se que apenas 10% da literatura clássica tenha sobrevivido até a Idade Moderna. Se considerarmos só os latinos, o quadro é ainda pior. Só 1% do que foi escrito por romanos não cristãos foi preservado. Santos das Igrejas Católica e Ortodoxa, como João Crisóstomo, gabavam-se de ter feito desaparecer toda uma cultura.

O que mais perturba na leitura de “The Darkening Age” é a total semelhança entre o que fizeram os cristãos dos anos 300, 400 e 500 o que fazem hoje membros do Taleban e do Estado Islâmico. A intolerância que militantes religiosos radicais mostram para com outros credos, os assassinatos praticados com requintes de crueldade e a insana “certeza” de estar obedecendo a comandos de um ente supremo infalível revelam quão perigoso é pôr Deus acima de tudo.

Com informação da Folha de S.Paulo e de outras fontes e foto de divulgação.




Aviso de novo post por e-mail

Estátua de Atena atacada pelo Estado Islâmico já tinha sido alvo dos cristãos, lembra autora

Fanatismo islâmico é tão violento como foi o dos cristãos, diz livro

Princípios satânicos têm moral superior a dos 10 Mandamentos



Ateu desafia cristão a explicar por que Deus permite o mal


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

-------- Busca neste site