Americana é condenada por orar pelo marido em vez de denunciá-lo por pedofilia

A Justiça de Idaho (EUA) condenou Sarah Kester (foto abaixo), 51, a um ano de tratamento por ter orado para seu marido se livrasse do “demônio” da pedofilia em vez de denunciá-lo à polícia.

Marido e mulher são afiliados à Igreja dos Seguidores de Cristo, que é uma religião que prega a cura pela fé e não aceita a ciência da medicina.

Lester Kester Jr. (foto), o marido, confessou à Justiça ter molestado cinco crianças durante duas décadas.

Caso não cumpra a sentença, Sarah ficará presa de quatro a 10 anos.

A Justiça tem julgado casos de fiéis dessa religião fundamentalista que têm levado filhos à morte por se recusarem a levá-los a um médico.

Lester e Sarah são
fiéis da Igreja
Seguidores de Cristo






Aviso de novo post por e-mail

'Cura pela fé' faz religiosos liderarem mortalidade infantil

Oregon condena por homicídio casal que tentou curar bebê com orações

'Cura pela oração' mata mais um bebê nos Estados Unidos





Quem quiser morrer pela 'cura' da fé que morra, não crianças


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários