Pular para o conteúdo principal

Caso brasileiro será exemplar para 'tolerância zero' da Igreja Católica

por Maria Fernanda Guimarães

A comissão de abuso sexual do Vaticano, que oficialmente se chama Proteção Mundial de Menores na Igreja, pretende usar o caso do padre Pedro Leandro Ricardo (na foto, à direita), da Diocese de Limeira (SP) como exemplo da nova política da Igreja contra os crimes de abuso sexual e corrupção financeira na Igreja Católica. O encontro que começa neste dia 21 vai até 24 de fevereiro em Paris.

Os chamados "Escândalos da Diocese Limeira" — ocorridos em Limeira, Araras e Americana (SP) — serão utilizados pelo Vaticano como paradigma da "nova Igreja", de como enfrentar as denúncias de pedofilia e de como criar políticas claras para expulsar esses padres.

A Diocese de Limeira está às voltas com dois problemas: denúncias de abuso sexual contra o ex-reitor e ex-pároco da Basílica de Santo Antônio de Pádua, em Americana (SP), padre Pedro Leandro Ricardo, e acusações de extorsão e de desvios financeiros do bispo Vilson Dias de Oliveira (na foto, à esquerda) que fora nomeado para o episcopado em 2007 por Bento 16.

Dom Vilson (esq.) 
investigado por extorsão e
desvio financeiro e padre
Pedro Leandro Ricardo, 
suspenso por acusações
de abuso sexual

Em resumo: padre Leandro está sendo investigado por abusar sexualmente de vulneráveis e pelas suspeitas de que tenha desviado R$ 1 milhão dos cofres da diocese. Dom Vilson Dias seria o destinatário do dinheiro e em troca daria suas bênçãos de silêncio às predações sexuais do padre.

Fontes da Santa Sé afirmaram sob sigilo a repórteres de O Globo que o bispo Vilson Dias de Oliveira será afastado durante as investigações e que o padre Pedro Leandro Ricardo deverá ser expulso da Igreja.

Investigação dupla

Além dos inquéritos policiais — que correm na Delegacia Seccinal de Americana, sob liderança do delegado José Luiz Joveli — há outro, eclesial, determinado pelo núncio apostólico dom Giovanni d'Aniello — "embaixador" do Vaticano no Brasil.

O núncio d'Aniello nomeou o bispo de Lorena (SP), dom João Inácio Müller o "chefe das investigações".Os detalhes do caso constam do inquérito policial instaurado em Americana no dia 23 de janeiro, a pedido da Procuradoria-Geral de Justiça do Ministério Público (MP) Estadual. O inquérito registrado sob o nº 2022503-24.2019.070370 corre em segredo de Justiça.

De sua parte, o bispo Müller está correndo. Ele ouviu já diversos depoimentos de supostas vítimas e ampliou a oitiva da comunidade católica da região, para além dos presbíteros.

As denunciações contra padre Leandro já foram feitas por um ex-seminarista, um vendedor, uma funcionária pública transsexual e um professor. Mais duas supostas vítimas teriam ligados à Delegacia Polícia Civil de Araras (SP) — cidade vizinha tanto à Americana quanto a Limeira. Inquéritos foram abertos nas três cidades.

Casos antigos


Quem recebeu inicialmente as graves informações foi o gabinete da Leci Brandão (PCdoB), por um “dossiê” de 74 páginas relatando os supostos crimes cometidos pela dupla de religiosos. A deputada remeteu os documentos para o Ministério Público do Estado de São Paulo. Pelo dossiê, os crimes imputados à dupla padre e bispo do Clero teriam ocorrido entre 2008 e 2014 em Americana, com repetições similares em Limeira e Araras, onde o padre atuara anteriormente, antes de assumir seu posto em Americana.

Com informações de O Globo, O Globo, G1, O Liberal e Estadão, com foto de divulgação.


















A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Morre o americano Daniel C. Dennett, filósofo e referência contemporânea do ateísmo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Britney Spears entra na lista de famosos que não acreditam em Deus

Oriente Médio não precisa de mais Deus. Precisa de mais ateus

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Vídeo mostra adolescente 'endemoninhado' no chão. É um culto em escola pública em Caxias

Ignorância, fé religiosa e "ciência" cristã se voltam contra o conhecimento

Prefeito de Sorocaba não acata Justiça e mantém Bíblia em escolas

TJs quase conseguiram que Michael Jackson destruísse Thriller antes do lançamento