Chile está deixando de ser um país católico, revela pesquisa

Uma pesquisa divulgada ao final de 2018 revela que o número de católicos no Chile caiu 14 pontos percentuais nos últimos dez anos, de 69% para 55%.

A projeção é de que nos próximos cinco anos, no máximo, os católicos deixam de ser a maioria da população.

O país já é identificado por estudiosos como “pós-católico”. O Chile está seguindo a tendência que se verifica em países europeus.

País já é tido
 como "pós-católico"

Entre os mais escolarizados que participam da máquina administrativa do país, apenas 46% se identificam como católicos e 44% se declaram ateus ou agnósticos.

O Centro de Estudos Públicos apurou também que no período houve queda de apenas 1 ponto percentual no número de evangélicos, mas eles são poucos no país. Em 2018 representavam 16% da população.

Pessoas de outras religiões se mantêm em torno de 4%, nos dez últimos anos.

Os sem religiões aumentaram 7% em junho de 1998 para 24% em outubro-novembro de 2018.


Analisado o grupo dos jovens (de 18 a 34 anos), 36% afirmaram que não seguem nenhuma religião.

A credibilidade das religiões despencou, de 51% para 13%, no período de 20 anos.

Esse fenômeno se acelerou nos anos mais recentes por causa da descoberta da pedofilia na Igreja Católica.

A maioria (80%) da população acredita em Deus, mas 68% acham que há vida após a morte.

Com informação dos gráficos do Centro de Estudos Públicos e do site La Esfera y la Cruz.

Aviso de novo post por e-mail

Igreja do Chile tem confraria secreta de pedófilos, denuncia católica

Grupo joga bombas em igreja do Chile e deixa mensagem: ‘Porcos estupradores’

Chile pressiona Igreja a esclarecer queima de arquivos sobre pedofilia




Uruguai lidera avanço da secularização na América Latina


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários