Livro que apresenta o Islã como ameaça à sociedade vira best-seller na Alemanha



Um novo livro altamente crítico do Islã e dos muçulmanos não tem parado nas prateleiras da Alemanha e caminha para se tornar um best-seller de não-ficção. A grande mídia criticou a abordagem simplista da religião na publicação.

O polêmico livro intitulado "Aquisição hostil: como o islamismo impede o progresso e ameaça a sociedade" alcançou o primeiro lugar na lista de não-ficção da revista alemã Der Spiegel depois de estar no mercado por menos de duas semanas.

O livro é uma crítica do Islã como religião, que o autor vê como prejudicial para as pessoas que o compartilham, com base em uma leitura literal do Alcorão.

Livro de Sarrazin
 diz que imigrantes
árabes emburrecem
 a sociedade alemã

Escrito por um ex-político do partido SPD e ex-membro da diretoria executiva do Bundesbank, Thilo Sarrazin, o trabalho surge 8 anos após a publicação anterior de Sarrazin sobre os muçulmanos intitulada "A Alemanha se abole".

Concentrando-se no que ele chamou de fracasso das políticas de multiculturalismo, esse livro acusou os imigrantes árabes e turcos de "emburrecer" a sociedade alemã e vendeu 1,5 milhão de cópias.

Falando antes do lançamento de seu último trabalho no mês passado, Sarrazin proclamou que "tudo tem sido pior do que eu previ há 8 anos".

O lançamento de "Aquisição hostil" ocorre durante um período de intensas tensões na Alemanha, com muita atenção pública focada em crimes cometidos por imigrantes. Tudo começou com o assassinato de um homem na cidade de Chemnitz, em agosto, que desencadeou protestos maciços contra a imigração em algumas partes do país, com violentos confrontos entre manifestantes de esquerda e de direita.


Chamando o Islã de "ideologia da violência sob a aparência de uma religião", o mais recente trabalho de Sarrazin tinha um caminho um pouco irregular para as prateleiras. A editora norte-americana Random House, que assinou um acordo com Sarrazin em novembro de 2016, recusou-se a imprimir em maio, levando a uma ação judicial do autor.

O manuscrito foi escolhido pela FinanzHotels Verlag, com sede em Munique, uma editora que normalmente é especializada em livros de não-ficção que tratam de negócios e assuntos comerciais.

O novo trabalho de Sarrazin recebeu elogios no semanário alemão de direita Junge Freiheit, mas os principais veículos de mídia, tanto dentro quanto fora da Alemanha, criticaram o livro. Uma análise feita pela Deutsche Welle chamou-a de "quadro distorcido baseado no preconceito" e comparou a maneira de Sarrazin de ler o Alcorão com a dos grupos jihadistas.
O jornal The Financial Times, do Reino Unido, criticou sua "abordagem reducionista", levantando Sarrazin por sua falta de conhecimento do árabe e por não ser um teólogo ou erudito religioso.

As críticas não impediram que o livro se tornasse um best-seller na Amazon, mas receberam uma média de 4,3 de 5 das 264 avaliações feitas por compradores online.


Aviso de novo post por e-mail

Hamburgo é a primeira cidade alemã a ter feriados islâmicos

Religião islâmica banida na Alemanha atua no Sul do Brasil

Alemanha cede às pressões e aprova circuncisão religiosa




Escola alemã proíbe oração pública de alunos muçulmanos

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

-------- Busca neste site