Pular para o conteúdo principal

Evangélicos acham que o dízimo é investimento financeiro, afirma estudo

Fiéis entregam dinheiro aos pastores na expectativa de obter recompensa de Deus


Estudo feito pela LifeWay Research nos Estados Unidos constata que os evangélicos pagam o dízimo como se fosse uma aplicação financeira. Eles acreditam que de alguma forma o dinheiro retornará com correção.

Um terço dos 1.001 evangélicos entrevistados disse que suas congregações ensinam que Deus lhes abençoará se pagar o dízimo e fizer oferta.

                                   Explorando a fé alheia

Do total, 38% dos evangélicos concordam com a afirmação "Minha igreja ensina que, se eu der mais dinheiro para minha igreja e caridade, Deus me abençoará com retorno [financeiro]".

Dois terço deles afirmaram que Deus quer que eles prosperem.

O estudo vale também para o Brasil, onde a teologia da prosperidade se firmou há décadas, beneficiando principalmente os pastores de mega-igrejas. Os fiéis continuam, esperançoso, pagando o dízimo.

> Com informação do site da LifeWay Research.

Comentários

É fácil entender que Jesus, Maomé, deuses et caterva ou religiões, não existiriam ou poderiam existir sem a falsa promessa de salvação/paraíso (e inferno) e o maior de todos os ídolos: O louvado deus dinheiro que arrecada dinheiro por meio da venda de objetos ungidos.
O chamariz deixou de ser a “salvação da alma” e passou a ser o misticismo, superstição, enaltecendo milagres, posse de relíquias, unção e santificação de objetos, água benta , pulseiras abençoadas, pentes santos do kit de beleza da rainha Ester, óleos de oliveiras de Jerusalém, água do Jordão, sal do Vale do Sal, trombetas de Gideão, cajado de Moisés. A imaginação dos líderes e a credulidade do povo são ilimitadas. Como a venda de pedaços do salmo 23 para a preparação de um chá que cura vícios, gente que dorme com uma Bíblia debaixo do travesseiro com a alegação de garantir bons sonhos e páginas ungidas por um “apóstolo” para serem colocadas nas paredes das casas dos crentes, entre outras coisas.

O pastor do evangelicalismo mediador entre o rebanho de Jesus e Deus na posse e desfrute de bens materiais realizam o seu trabalho com muito sucesso.(Atos 20:29-32).

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m