Pular para o conteúdo principal

Koenig: 'Quando tentei denunciar o abuso do padre, disseram que eu era sujo'


'A denúncia
 foi enterrada
rapidamente
pela Igreja'

[depoimento]

por Jay D. Koenig

Em 1966, eu tinha 7 anos e ajudava meu avô na escola St. Marys of Good Councel, em Adrian, no Michigan.

Um dia, enquanto usava o mictório no banheiro, um padre me agarrou pelas costas, esmagou meu rosto contra a porcelana e, então, me sodomizou por uma hora ou mais. Quebrei dois dentes frontais e fiquei com marcas pelo meu corpo.

Quando tentei denunciar o crime, me disseram que eu era um garoto sujo, que tinha abandonado a Igreja e que um padre jamais faria tal coisa.


A denúncia foi rapidamente enterrada e me disseram que eu não era bem-vindo em nenhum templo da Diocese de Lansing, no Michigan.

Tive pesadelos recorrentes durante anos após o incidente.

Fui demitido de meu emprego, depois de 21 anos de trabalho, em 3 de agosto de 2017.

Sofri terror noturno, acordava suando frio e muitas vezes caía da cama.

Sou incapaz de usar mictórios públicos.

Minha esposa, como quem estou casado há 28 anos, teme que eu a machuque durante a noite ou que eu cause danos a mim mesmo.

Jay D. Koenig tem 59 anos. Ele mora em Phoenix, Arizona (EUA). Ele concedeu o depoimento a Rodrigo Craveiro, do Correio Brazilienze. A foto é de arquivo pessoal.



Barbara: 'O padre começou a me estuprar quando eu tinha seis anos'

Forçado a se demitir por denunciar padre pedófilo, detetive é indenizado 50 anos depois na Austrália




A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m