Juiz mantém programas de igrejas na grade das emissoras de TV


Juiz admitiu
 'estranhamento' na
venda de horários,
 mas entende não
 haver ilegalidade

O juiz Djalma Moreira, da 25ª Vara Federal de São Paulo, negou pedido do Ministério Público Federal para impedir que as emissoras de TV vendessem horário para igrejas, porque o serviço de transmissão aberta de sinais é uma concessão pública. 

Portanto, nada muda, ainda que Moreira, em sua sentença, tenha admitido haver um “estranhamento” nessa comercialização de horário de TVs.

A sentença é de 11 de maio de 2018, com promulgação no dia 18 do mesmo mês.

O MP apresentou o pedido em 2014 principalmente por causa de canais como CNT e Rede 21 (Grupo Band), que alocam a maior parte de seu horário à Universal e a outras igrejas.


Pelo Código Brasileiro de Telecomunicações, a venda de horário de uma emissora não pode ultrapassar a 25% do total de sua programação.

O Ministério Público não teve o apoio do Ministério das Comunicações, que alegou desconhecer irregularidades na venda desses horários por não ter acesso aos contratos entre igrejas e emissoras.

A decisão da Justiça se encaixa em um contexto em que as igrejas evangélicas influenciam cada vez mais no poder político, enfraquecendo a laicidade do Estado brasileiro.

Com informação do Observatório da Televisão.


TV e rádio não podem estar a serviço de crenças religiosas

Programas evangélicos na TV ameaçam a liberdade religiosa, diz antropóloga




Programas religiosos na TV ferem a Constituição, diz ativista

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

Busca neste site