'A igreja nos virou as costas', diz pai de menino abusado por padre


Ferreira
foi condenado
a 33 anos
de prisão
do G1

Dois dias após a condenação do padre Marcos Roberto Ferreira (foto) a 33 anos de prisão por abuso de dois adolescentes em Joinville, o pai de um dos garotos, que é afilhado do religioso, contou ao G1 sobre o sofrimento da família assim que os crimes vieram a público e disse que houve falta de apoio da igreja católica.

Após o pai ver o menino perder amigos e se sentir discriminado na comunidade religiosa que frequentava, ele decidiu colocar a casa e o negócio da família à venda e recomeçar em outro município.

O pai, que tem a identidade preservada para a proteção do adolescente, contou que o garoto, na época com 13 anos, estava sofrendo preconceito. 

"As pessoas na igreja começaram a olhá-lo de um jeito diferente, mas ele é a vítima. As pessoas começaram a nos ofender nas redes sociais. Foi muita hipocrisia”, afirmou.



Padre acusado de pedofilia não deveria ser preso, diz frade

Morre padre brasileiro citado em filme premiado sobre pedofilia na Igreja




A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

Busca neste site