STF nega habeas corpus a bispo acusado de desviar R$ 2 milhões de dízimo


Dom Ronaldo
é acusado de ser
o líder do bando

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, negou concessão de habeas corpus ao bispo dom José Ronaldo (foto), de Formosa [mapa] (GO), que foi preso preventivamente sob a acusação de chefiar um esquema de desvio de dízimo.

A decisão também vale para o padre e juiz eclesiástico Tiago Wenceslau.

Os dois e outros religiosos foram presos no dia 19 de março de 2018 na Operação Califás, por ordem judicial sob a acusação de a quadrilha ter desviado mais de R$ 2 milhões, dinheiro que teria sido usado para comprar carros de luxo, uma loteria e uma fazenda de gado.

O papa Francisco já nomeou um substituto para a diocese, dom Paulo Mendes Peixoto.

Com informação do STF e de outras fontes.e foto reprodução/TV Globo.



Vídeo mostra promotor de justiça dizendo a bispo: 'O senhor está preso'

Monsenhor tentou sair do país com dinheiro em latas de goiabada




A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários