Justiça manda 'cristão' indenizar professora acusada de ensinar a ser gay


Nice disse que foi
ofendida por uma
 pessoa que nem sequer
assistiu sua aula

A Justiça do Rio Grande do Sul determinou que Erik Rossetti pague R$ 3.000 de indenização a professora de história e sociologia Nice Stelter Passos (foto) por difamá-la.

Rossetti é irmão de um dos alunos de Stelter no Colégio Estadual Senador Alberto Pasqualini, em Novo Hamburgo. [mapa abaixo]

Colocando-se como “cristão”, ele acusou em duas páginas do Facebook a professora de ensinar a “ideologia de gênero, incentivando a homossexualidade e o adultério”.

Ele fez um apelo aos “pais cristãos” para combater “esse tipo de monstruosidade [...], pois homem nasce homem e mulher nasce mulher, simples assim”.


Nice recebeu centenas ofensas na rede social.

Rossetti acabou deletando sua postagem.

A professora disse não ter feito nenhum proselitismo e que foi acusada por uma pessoa que nem sequer assistiu a sua aula.

Ela explicou que em 8 de março de 2017, Dia Internacional da Mulher, falou aos alunos sobre sexualidade com base em material do site da ONU e de acordo com parâmetros do Ministério da Educação.

O juiz Roberto Behrensdorf Gomes da Silva, relator do caso, afirmou que Rossetti deveria manifestar seu descontentamento com a direção da escola, e não nas redes sociais.

Até agora, Rossetti não veio a público para dar sua versão.



Com informação da proposta de sentença, acordão e Gauchazh e foto de arquivo pessoal.


Acelera-se a conversão de índios a religiões evangélicas

Presidente da Funai apoia pregação cristã aos índios




A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários