Delegado de Deus agia havia tempo com a conivência da Polícia


Firmino diz
ter contato direto
com Deus

Quando a religião, por intermédio de igrejas ou de indivíduos, se infiltra em setores de uma sociedade laica, existe grande possibilidade de dar merda.

Um exemplo é o delegado Moacir Fermino (foto), de Novo Hamburgo [mapa], RS, que, após uma “revelação de Deus”, prendeu um suspeito de ter esquartejado dois jovens em um ritual satânico.

O delegado evangélico contou que teve a ajuda de dois pastores, e o resultado é que o sacerdote de umbanda Silvio Rodrigues, com templo em Gravataí [mapa], ficou preso mais de 40 dias, até que um superior de Fermino desconfiasse daquela história mirabolante.

Rodrigues contou que, ao ser abordado, o delegado disse que “era Deus e estava prendendo Satanás”.

Não havia provas contra Rodrigues porque, como se sabe, Deus está em todo o lugar e sabe de tudo.

Mas, se é assim, seria o caso de se perguntar ao delegado por que Deus não impediu a morte das duas crianças?


Em entrevista, após a prisão, Firmino disse ter desvendado vários casos com a ajuda de “homens de Deus”.

Ou seja, o delegado vinha atuando já havia algum tempo como pastor caçador de demônios, e a Polícia Civil nada fez, permitiu.

Merecidamente, no episódio, a Polícia Civil se mostrou ridícula.

O delegado de Deus serve como um alerta sobre as consequências (nem sempre tão visíveis) da intromissão da religião e de religiosos em setores onde devem imperar o bom senso e a objetividade. Setores como a política e a educação.

Vítima de discriminação religiosa, Silvio Rodrigues, se quiser, poderá acionar o Estado de Santa Catarina por danos morais e físicos.

Se houver condenação, é o delegado que deve pagar a indenização, e não o Estado, que é laico.

Para o pagamento, Firmino poderá obter ajuda dos dois pastores e de Deus.

Com informação da imprensa de Santa Catarina e foto de divulgação.





Avanço evangélico é tragédia anunciada, afirma Sottomaior

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

  1. Olá, o caso ocorreu em Gravataí, sendo investigado pelo delegado substituto de Novo Hamburgo, e ambas cidades ficam no RS e não em SC. Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Todo aquele que fala em nome de deus quer meu dinheiro e minha liberdade!

    ResponderExcluir

Postar um comentário