Igreja Católica alemã perde fiéis, mas continua bilionária


Igrejas vazias com cofres cheios 

As 27 dioceses da Igreja Católica da Alemanha possuem em imóveis (ativos fixos) e em investimentos financeiros pelo menos 26 bilhões de euros, o que equivale a 31,2 bilhões de dólares.

Embora esteja perdendo fiéis —2,2 milhões desde 2000 —, só em 2017 a Igreja arrecadou 6 bilhões de euros, aumentando sua fortuna.


As informações são do jornal alemão Handelsblatt, que investigou as contas da igreja.

As contas não têm transparência, mas, mesmo assim, o jornal descobriu que a Igreja não tem destinado recursos suficientes para seus hospitais.

Parte da fortuna da Igreja vem de imposto cobrado dos católicos, que são um terço da população de 82 milhões de pessoas.

Instituído em 1919, o imposto é anual e varia de 8 a 9% sobre a renda, de acordo com a região do país.

A Igreja também se beneficia de imunidade tributária e subsídios estatais.


Quem se desligar da Igreja perde o direto a serviços como batismo e cerimônia de casamento.

O jornal diz estar havendo desperdício de recursos.

Citou o gasto de 2013 de 43 milhões de dólares do bispo Franz-Peter Tebartz-van Elst, da arquidiocese de Trier [mapa], na restauração sua moradia, que passou a ter, por exemplo, uma banheira de 15 mil dólares. 

Elst foi mandado para Vaticano, mas, na Alemanha, os bispos continuam nadando em dinheiro, enquanto o papa Francisco pede empenho de todos para acabar com a fome.

Com informação do Handelsblatt.




Vaticano gastou R$ 58 mi em complexo que abriga sauna gay

Comentários

  1. [...] O Vaticano ocupa o 8º lugar do mundo entre os países que lavam dinheiro sujo, oriundo da sonegação de impostos, da obtenção de lucros ilícitos, do tráfico de armas e de drogas, entre outras fontes criminosas. O Vaticano conseguiu deixar para trás, em matéria de lavagem de dinheiro, países como a Suíça, Bahamas, Liechtenstein, Nauru e as Ilhas Maurício. A pesquisa foi realizada pela rede de organizações sociais francesas Voltaire, com base em dados fornecidos por autoridades alemãs e suíças. No ano passado, o Instituto de Obras da Religião (IOR), nome oficial do Banco do Vaticano, epicentro do problema, teria lavado cerca de 33 bilhões de dólares. Esta informação tem um caráter aproximativo, porque ninguém (nem mesmo o papa) tem acesso ao balanço real da instituição bancária mais secreta do planeta.
    Outro escândalo no banco foi a prisão do monsenhor Nunzio Scarano, ex-chefe de contabilidade do IOR que integrava a APSA, um organismo do IOR que gerencia o patrimônio da Santa Sé. É acusado de corrupção, calúnia e fraude pela polícia financeira italiana. [...] (Fonte: Carta Maior - Vaticano ocupa 8º lugar global em lavagem de dinheiro. Acessado em 2015: http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Internacional/Vaticano-ocupa-8%BA-lugar-global-em-lavagem-de-dinheiro/6/28368

    http://tribodejacob.blogspot.com.br/2012/02/fortuna-do-opus-dei-agora-o-texto.html

    ResponderExcluir
  2. http://tribodejacob.blogspot.com.br/2012/02/fortuna-do-opus-dei-agora-o-texto.html

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Busca neste site