Pular para o conteúdo principal

Governador veta redução de pena com leitura de Bíblia


Projeito de lei da
bancada evangélica

O governador Geraldo Alckmin, de São Paulo, vetou o trecho de projeto de lei que permitia redução de prisão ao condenado que lesse a Bíblia.

Proposto pela bancada evangélica da Assembleia Legislativa, o projeto de lei 390/2017 foi aprovado em regime de urgência em dezembro.


Instâncias superiores da Justiça permitem que o presidiário tenha redução de quatro dias de pena a cada 12 livros lidos. O limite é de 48 dias por ano.

A bancada evangélica tinha argumentado que o benefício devia er estendido a quem lesses a Bíblia porque ela é composta por 39 livros do Antigo Testamento e 27 do Novo.

Alckmin vetou o benefício porque, segundo a sua assessoria, trata-se de uma inconstitucionalidade.

O projeto de lei só beneficiava os crentes e reforçava o predomínio de facções religiosas dentro dos presídios.

Com informação das agências.




Preso que não paga dízimo à Universal sofre discriminação

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

Posts mais acessados na semana

Dona Religião é casada com sr. Atraso e têm vários filhos

Bolsonaro fica irritado com aprovação da CoronaVac que vai salvar vidas

Aprovação da CoronaVac significa duro golpe no bolsonarismo

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Bolsonaro compra a novela 'Os dez mandamentos' da Record para a TV Brasil