Pular para o conteúdo principal

MP-RS afirma que mulher foi morta em sacrifício religioso


Eloísa foi golpeada com 58 facadas

O MP (Ministério Público) do Rio Grande do Sul acusa um casal e um pai de santo de matarem uma mulher em ritual religioso.

O crime ocorreu na noite de 9 de março de 2017, em Parobé, cidade de 56 mil habitantes que fica a 75 km de Porto Alegre [mapa].

A promotora Daniela Fistarol afirma haver evidências de ter ocorrido sacrifício humano.


O laudo de necropsia, diz ela, mostra que Eloísa Freitas de Moraes, 56, foi assassinada por 58 facadas em diferentes partes do corpo, de modo que todo o sangue fosse retirado para uso religioso.

Lavado e com roupas limpas, o corpo foi enterrado perto da casa de Eloisa em posição fetal, o que confirma ter havido um ritual.

Na avaliação do MP, Daniel da Silva, 23, e Adriana Moreira dos Santos, 41, vizinhos da vítima, e o pai de santo Kennedy dos Santos Pires, 52, teriam escolhido Eloísa para o sacrifício por divergência religiosa. Ela é adventista.


Pela informação da promotora Fistarol, o casal confessou o crime, inclusive a desavença religiosa, mas Adriana isentou o pai de santo.

O MP acredita que Pires tenha sido o mandante do crime. O pai de santo já suspeito de agredir outras pessoas.

Os três estão presos à disposição da Justiça.

A defesa dos suspeitos não divulgou a sua versão.

Com informação do site Gaúchazh e foto de arquivo pessoal.




Primeiros cristãos promoviam sacrifício humano, diz livro

Comentários

Posts mais acessados na semana

Dona Religião é casada com sr. Atraso e têm vários filhos

Bolsonaro fica irritado com aprovação da CoronaVac que vai salvar vidas

Aprovação da CoronaVac significa duro golpe no bolsonarismo

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Bolsonaro compra a novela 'Os dez mandamentos' da Record para a TV Brasil