No RS, criação da lei do ‘Dia da Mundial’ custou R$ 4 milhões


Deputado Missionário Volnei
legisla em causa própria

A criação da lei que instituiu o “Dia da Igreja Mundial do Poder de Deus” no Rio Grande do Sul custou mais de R$ 4 milhões.

Essa informação é do estudo feito pelos especialistas em administração pública Leonardo Sales e Ana Paula Massonetto.

Para saber o custo da elaboração das leis estaduais, eles montaram uma tabela com os gastos com  pagamentos e benefícios a funcionários e a deputados, manutenção de edifícios, etc., comparando-aos com a produtividade de cada uma das Assembleias Legislativas, incluindo a do Distrito Federal.


Os especialistas também levaram em conta o PIB e o IDH de cada Estado.

A lei do “Dia da Mundial” está na lista das mais caras, superando, por exemplo, a do “Dia do Goiano”, de Brasília, que custou R$ 1,8 milhão.

Em média, considerando todas as Assembleias, a elaboração de uma lei absorve R$ 2,3 milhões dos cofres públicos, mesmo que ela não seja aprovada.

A lei que homenageia a igreja de Valdemiro Santiago foi de autoria deputado Missionário Volnei (PSC), que é, claro, seguidor da Igreja Mundial.

Com informação do Estadão e de outras fontes e foto de divulgação.





MP recomenda que prefeito não gaste com 'Dia do Evangélico'

Comentários