Avança projeto de lei que reduz tempo de prisão de crentes


Culto na prisão em vez
de formação educacional

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados deu parecer favorável ao projeto de lei que reduz um dia de prisão ao condenado que tiver a cada seis horas atividades religiosas, no período mínimo de três dias.

O presidente da comissão é o Pastor Eurico (PHS-PE).

Este é o Brasil de hoje: na Câmara, para cuidar da aplicação da Constituição, há alguém que segue em primeiro lugar a Bíblia.


O projeto de lei 567 foi apresentado em 2015 pelo deputado católico Flavinho (PSB/SP).

Trata-se de mais uma tentativa de golpe contra o Estado laico.

O sistema carcerário já oferece redução de um dia de pena a quem tiver atividades escolares, as quais podem incluir leitura de livros sobre religião.

Nesse caso, a quantidade de horas mínimas a cada três dias é de 12 horas, portanto o dobro de tempo do projeto de lei dos religiosos.

É claro que, se houver a opção, o presidiário vai preferir se submeter a uma evangelização a ter de ler um clássico da literatura ou receber aulas de ciências, porque recompensa mais e exige menos esforço e dedicação.


É uma logica de regime teocrático: seis horas de oração valem tanto quando 12 horas de estudo de matemática, por exemplo.

Para os religiosos da Câmara, o "amém" dos presidiários é mais importante do que a aprendizagem de porcentagem, embora esse cálculo seja fundamental na vida prática.

Agora, o projeto de lei vai ser submetido ao plenário da Câmara.

Se a Constituição for respeitada, ele será rejeitado porque exclui os sem religião, ateus e agnósticos do benefício.

Em uma democracia, todos são iguais perante a lei. Ou deveriam ser.

Com informação da tramitação do projeto de lei 567/2015.





Universal investe para obter o monopólio da fé nos presídios

Comentários