Pular para o conteúdo principal

Após apurar abusos, Austrália pede fim do celibato de padres


Comissão acredita que celibato
é uma das causas dos estupros

das agências

Depois de cinco anos de investigação, a Comissão Real da Austrália que apura abusos sexuais infantis está recomendando que a Igreja Católica derrube a obrigatoriedade do celibato para seus clérigos, uma vez que tal condição pode aumentar os riscos, notou um relatório divulgado nesta sexta-feira, 15 de dezembro de 2017.

Uma das maiores apurações sobre o tema já vistas no mundo, a averiguação durou cinco anos e resultou em um documento de 17 volumes e 189 recomendações de ações para o governo e instituições religiosas.

A investigação não focou apenas na Igreja Católica e incluiu outras entidades religiosas, abrigos para menores e escolas.


Agora, foram entrevistadas 7 mil vítimas e 61,4% daqueles que foram abusados em uma instituição religiosa citaram que o caso ocorreu na Igreja Católica. 64,3% dos entrevistados eram homens e mais da metade tinha entre 10 e 14 anos de idade quando os crimes aconteceram. 93,8% foram abusados por homens e 83,8% foram vítimas de adultos. Constatou-se, ainda que a duração média dos abusos foi de 2,2 anos.

Além da medida relacionada ao celibato, há, ainda, a sugestão para uma lei que torne obrigatório que clérigos reportem às autoridades os casos de abusos sexuais infantis relatados durante confissões. 


Sugere também que a Santa Sé passe a considerar esse tipo de violência um crime à luz do Direito Canônico.

O arcebispo de Sydney, Anthony Fisher, disse em entrevista à rede de notícias CNN, que a sugestão de fim do celibato obrigatório é uma “distração”, já que isso não necessariamente impactaria no fim dos abusos.





Vítimas de padres pedófilos da Austrália recebem US$ 276 mi

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m