Juiz Marcelo Bretas, não pega bem citar a Bíblia em Estado laico


Juiz não é pastor

Marcelo Bretas [foto], inicialmente parabéns.

Vossa Excelência tem feito um belo trabalho na 7ª Vara Federal Criminal do Rio.

Imagino não ter sido fácil condenar um poderoso criminoso de colarinho branco, o ex-governador Sérgio Cabral, ainda que haja abundância de provas.

Mas pare de citar a Bíblia em suas referências ao caso.

Recentemente, em mais uma menção bíblica, Vossa Excelência citou Mateus 18:21-22, sobre a quantidade de vezes que Jesus estaria disposto a perdoar.

Vossa Excelência, eu sei, leva a sério a devoção religiosa, e a liberdade de crença é garantida pela Constituição.

Mas quem está julgando o Cabral é o juiz Bretas, não o evangélico Bretas.


Jesus não tem nada a ver com a alta malandragem.

Como Vossa Excelência, Cabral também acredita em Jesus, é católico, mas isso, na prática, não faz nenhuma diferença.

Os presídios estão lotados de cristãos.

Além do mais, não pega bem a um juiz citar com recorrência à Bíblia.

O Estado brasileiro é laico, o que também está na Constituição, e os juízes têm por dever de ofício preservá-lo.

Vossa Excelência é culto, e eu imagino que não lhe falte conhecimento para fazer referências com base no mundo jurídico.

As pregações religiosas de Vossa Excelência poderão prejudicar sua credibilidade e depreciar a “leis do homem”, por assim dizer.

Alguém poderá argumentar que Vossa Excelência é rigoroso não porque dá o devido respeito às leis, mas, sim, por se tratar de um fanático religioso.

Pense nisso.





Juiz afronta Estado laico ao citar Bíblia no caso Sérgio Cabral

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

Postagens mais visitadas

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Artista gospel se recusa a cantar em casamento de amigo gay

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Trechos bíblicos cuja existência crente finge não saber

Carl Sagan escreve sobre um 'pálido ponto azul' nos cosmos, a Terra

Igreja de 221 anos fecha nos EUA por falta de fiéis; avanço da secularização