Pular para o conteúdo principal

Ensino religioso no Estado laico é excrescência, diz professor


Pluralidade do ensino religioso

A aprovação do ensino religioso confessional pelo Supremo Tribunal Federal indignou juristas e professores.

Luis Felipe Miguel, professor de ciência política na UnB, disse que, em um Estado laico, tal disciplina “é uma excrescência”

“Se as famílias e as igrejas querem dar educação doutrinal às suas crianças, que o façam em seus próprios espaços.”

Márcio Sotelo Felippe, procurador do Estado de São Paulo, disse que os tempos são “sombrios”, porque o Supremo enterrou “séculos de conquistas iluministas, de avanços no processo civilizatório”.


Renan Quinalha, doutor em direito, disse que a decisão do STF é “um absurdo”, porque permite que religiões se apropriem do espaço público da escola para propagar sua própria fé.”

“Considerando o contexto atual, isso se torna ainda mais grave.”

Alexandre Melo Franco Bahia, professor de direito constitucional na Universidade Federal de Ouro Preto, afirmou que a decisão ofende o direito e a inteligência dos brasileiros.

“Como um Estado laico pode atuar de forma confessional? Em que mundo isso faz sentido?”

Eloísa Machado, doutora em Direito Constitucional, tem o mesmo ponto de vista.

“A decisão do STF é um grande retrocesso”, disse.

“Assumir a confessionalidade do ensino, além afetar profundamente a lógica do que deve ser a educação pública, laica e inclusiva, abre espaço para uma infinidade de outros problemas. É inadmissível, por exemplo, que os escassos recursos públicos sustentem a doutrinação religiosa nas escolas.”

Joice Berth, militante feminista: “Essa decisão é mais uma assunção de racismo por parte do nosso sistema judiciário, pois sabemos que não será ensino religioso de maneira abrangente e democrática, será sim um esquema de doutrinação neopentecostal, uma imposição de pensamento evangélico, já que essa é uma bancada que só cresce dentro de todas as estruturas políticas.”

Ela resumiu: “Trevas”.

Com informação de Justificando.




MBL começa a se assumir como reduto de cristãos fanáticos

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

  1. "Racismo", como afirma a Joice... LGBTs, outras mulheres e questões de gênero, de longe MUITO mais preconceituados, e o fator religioso pesa muito nisso. Nem mencionado. Isso fora os ateus, céticos e afins, hostilizados.
    Até ela nessa obseção crônica por racismo, além da grande imprensa.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

Maitê recupera pensão de solteira apesar de união com empresário

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Vaticano manda que Arautos dos Evangelhos devolvam crianças para suas famílias