Pular para o conteúdo principal

Filha de Hawking lembra de suas conversas com pai sobre buraco negro

Lucy fala que nenhum assunto ficava de fora nas reuniões de cientistas em sua casa


da BBC Brasil

"Você se transformaria em um espaguete."

Foi assim que o prestigiado físico britânico Stephen Hawking (foto abaixo) respondeu a uma pergunta de um amigo do neto, que quis saber o que aconteceria se ele "caísse em um buraco negro".

Quem relembra a história é Lucy (foto abaixo), filha de Hawking, em entrevista à BBC.


'Quando criança, eu podia
fazer qualquer pergunta
e recebia uma resposta'

"Acho que era a festa de aniversário de oito ou nove anos do meu filho. E um dos amigos dele perguntou ao meu pai: 'Stephen, o que aconteceria comigo se eu caísse num buraco negro'", diz.

"Todo mundo ficou muito interessado e esperando pela resposta. Claro que todas as crianças ficaram maravilhadas e entenderam completamente a resposta. E todos os adultos fingiram que entenderam também", acrescenta ela.


Lucy diz que, quando ela era criança, os amigos cientistas do pai costumavam jantar na casa da família "praticamente toda a noite".

"Eles discutiam assuntos extraordinários; nenhum ficava de fora", recorda.

"Quando criança, você podia fazer qualquer pergunta e recebia uma resposta", acrescenta.

Lucy se lembra dos momentos em que ela e o irmão mais velho corriam ao lado do pai com sorvetes, enquanto ele "dirigia sua cadeira de rodas motorizada por toda Cambridge (cidade da Inglaterra)".

"Acho que provocava horror, espanto e choque. Como um deficiente físico estava na rua sozinho? O que aquelas crianças estavam fazendo", recorda.

"As pessoas ficavam espantadas. Ficavam nos olhando. Não podiam processar aquilo direito", acrescenta.

Segundo Lucy, o pai serve de inspiração a muita gente.

"Pessoas que viveram em zonas de guerra ou em circunstâncias extremas parecem ver algo de muito inspirador no exemplo de perseverança e persistência, em sua habilidade de se sobrepor ao sofrimento e ainda querer falar com humor sobre temas profundos com o resto do mundo."

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m